No Engenhão, Botafogo faz as pazes com a vitória: 3 a 1 no ABC, de virada

GOL DE NAVARROCom dois gols, Navarro foi o artilheiro da noite – Cezar Loureiro / Agência O Globo.

Não é de se estranhar que a qualidade do futebol do Botafogo tenha oscilado entre momentos bons e outros terríveis, nesta terça-feira, na vitória sobre o ABC, por 3 a 1, no Engenhão. Este Botafogo já trocou de técnico, trocou de dirigente — o vice de futebol renunciou — e até de filosofia. Em meio a tantas mudanças, é a cara de um time que busca seu rumo em plena disputa da Série B.Ao menos, o resultado colocou o time na terceira posição e interrompeu a incômoda sequência de quatro rodadas de tropeços.
Quando René Simões caiu, a justificativa era a necessidade de usar jovens. O interino Jair Ventura chegou a escalar cinco titulares com 23 anos ou menos. A pressão se revelou forte demais. Nesta terça-feira, o time de Ricardo Gomes tinha cinco jogadores com 30 anos ou mais. Os titulares com 23 anos ou menos eram só dois: Willian Arão, 23, e Neílton, 21.

Aberto, desorganizado na recomposição, o Botafogo cedeu a vantagem ao ABC aos 12 minutos, num contra-ataque em que os atacantes potiguares ganharam, no mesmo lance, as costas dos dois laterais alvinegros. O resultado foi o gol de Edno. Menos mal que, nos momentos de pressão, experiência costuma ajudar. Também não faz mal contar com a inabilidade do adversário. Como mostra a rebatida errada da zaga, que ofereceu ao uruguaio Navarro a cabeçada do gol de empate. Ou a saída de bola ruim do goleiro Saulo, acompanhada pela insegurança do lateral Marcílio. Daniel Carvalho aproveitou, tabelou com Neílton e deixou o jovem atacante livre para virar o jogo e fazer seu primeiro gol pelo Botafogo.
O meio campo com Diego Jardel e Daniel Carvalho tinha técnica, mas pouca dinâmica. O Botafogo teve pouco volume, em especial no segundo tempo. Menos mal que a qualidade ajudou a decidir o jogo, no passe de Daniel Carvalho para o segundo gol de Navarro, novamente de cabeça.

Em sua primeira vitória pelo alvinegro, Ricardo Gomes ainda colocou Elvis para tentar retomar o meio-campo. Mas a segunda etapa transcorreu, na maior parte do tempo, no campo defensivo alvinegro. Ainda que os sustos criados pelo ABC, 18º colocado, tenham sido raros.

BOTAFOGO 3 X 1 ABC

Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)

Data/Hora: 11/8/2015 – 21h30

Árbitro: Luiz César de Oliveira Magalhães (CE)

Auxiliares: Nailton Junior de Sousa Oliveira (CE) e Vaneide Vieira de Gois (SE)

Renda/Público: R$ 64.415,00 / 5.676 pagantes e 6.435 presentes

Cartões Amarelos: Reginaldo, Leandro Amaro e Fabinho (ABC); Luis Ricardo (BOT)

Gols: Edno, aos 12’/1°T (0-1); Navarro, aos 21’/1°T (1-1); Neilton, aos 30’/1°T (2-1); Navarro, aos 9’/2°T (3-1)

BOTAFOGO: Jefferson, Luis Ricardo, Renan Fonseca, Diego Giaretta, Carleto, Serginho, Willian Arão, Daniel Carvalho e Diego Jardel (Octavio, aos 42’/2°T); Neilton (Elvis, aos 22’/2°T) e Navarro (Luis Henrique, aos 33’/2°T). Técnico: Ricardo Gomes.

ABC: Saulo, Reginaldo, Luizão, Leandro Amaro e Marcílio; Fabio Bahia, Michel Wellington Bruno, aos 33’/2°T), Rafael Miradan e Bismark (Rafael Oliveira, no intervalo); Fabinho (Rafinha, aos 22’/2°T) e Edno. Técnico: Ademir Fesan
O uruguaio Navarro comemora o gol de empate do BotafogoFoto: Cezar Loureiro / Agência O Globo

O Globo