Trabalhar cada vez mais no Flamengo para que o sonho de jogar na seleção

No Flamengo, Paulo Victor é elogiado por xará, ex-seleção brasileira

paulo vitorPaulo Vítor elogia Paulo Victor, titular do Flamengo

BRASÍLIA – A posição é a mesma. O nome também. Falta agora uma chance na seleção, o que está cada vez mais próximo na opinião de Paulo Vitor, ex-goleiro do Fluminense e do Brasil. O ex-jogador, que mora em Brasília, acompanhou, nesta segunda-feirao último treino do Flamengo na cidade e aproveitou para conversar com Paulo Victor, goleiro titular da equipe e que, nas palavras dele, é o melhor da posição no Brasil. O xará agradeceu os elogios, mas evitou se autoconvocar. Disse apenas que tem de trabalhar cada vez mais no Flamengo para que o sonho de jogar na seleção se torne realidade.

– Hoje, ele é o melhor goleiro do Brasil. Tem grande futuro e tem espaço hoje na seleção brasileira – disse Paulo Vítor, que deixou de jogar em 1994.

O goleiro do Flamengo ficou feliz com os elogios do xará, mas foi mais humilde em sua autoavaliação:

– Minha autoavaliação é que tenho que crescer cada vez mais. Fico muito feliz vendo Paulo Vítor, que foi ídolo, de seleção, que entende da posição. Agradeço o carinho, pela pessoa que tive prazer de conhecer. A gente tem que buscar evoluir cada vez mais para receber elogios como esse.

Paulo Victor dá autógrafo aos fãs após o treino em Brasília – Jorge William / Agência O Globo

Paulo Victor disse que seu pensamento é continuar trabalhando e deixar as coisas acontecerem naturalmente. Questionado se está sentindo que uma convocação está próxima, ele respondeu:

– Não estou sentindo nada. Estou querendo trabalhar cada vez mais. Para chegar à seleção, tenho que fazer por onde no meu clube. Tenho que trabalhar cada vez mais, cada vez mais buscar resultados no Flamengo para isso se tornar realidade.

Goleiro e ex-goleiro conversaram brevemente após o treino, realizado no CT do Brasiliense. O ex-jogador da seleção negou ter dado conselhos ao xará:

– Conselhos não. Ele já sabe tudo. Tudo não, quase tudo, porque a gente nunca sabe tudo.

EMBARQUE PARA MANAUS

A previsão era o Flamengo embarcar para Manaus às 23h56. Na capital amazonense, o time fará dois amistosos: um contra o Vasco, dia 21, e outro contra o São Paulo, dia 25. O técnico Vanderlei Luxemburgo já havia dito que, apesar de ser apenas um amistoso, a rivalidade torna a partida contra o Vasco um jogo a parte. Ontem, Paulo Victor disse que o pensamento do Flamengo é vencer sempre, independentemente do adversário, mas reconheceu que esse é um jogo diferente.

Paulo Vítor também conversou com o técnico Vanderlei Luxemburgo – Jorge William / Agência O Globo

– Sempre é. É um clássico e move a torcida – afirmou o goleiro do Flamengo.

Paulo Victor, o melhor jogador em campo no amistoso domingo no estádio Mané Garrincha contra o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, também foi o mais assediado pela torcida do Flamengo no treino. O goleiro retribuiu o carinho, distribuindo autógrafos e tirando fotos com parte dos 100 flamenguistas que foram ver seu time treinar.

– Adoro jogar aqui, sinto o calor da torcida. Vejo como ficam felizes quando o Flamengo vem jogar aqui. Sempre que tiver oportunidade, pode ter certeza que o Flamengo vai vir aqui e sabe o carinho de todos em Brasília

No treino na cidade, o goleiro reserva, Cesar, que entrou no segundo tempo contra o time ucraniano e fez boas defesas, também foi assediado. Em sua passagem por Brasília, qualquer integrante da comitiva do Flamengo, mesmo não sendo jogador, era um potencial ídolo. No treino de ontem, até o segurança tirou foto com torcedor. No sábado, quando o time desembarcou no aeroporto de Brasília, foi a vez do assessor de imprensa tirar foto com a torcida.

No treino desta segunda-feira, os titulares se limitaram a exercícios na academia e a um treino físico no campo. Só os reservas tocaram na bola. Eduardo da Silva, que sentiu a coxa em Atibaia (SP), onde o time estava se preparando para a temporada, levou mais tempo na academia que os demais.

Canteros, Cáceres e Léo Moura correm no gramado
O Globo