Nonato rebate críticas de Cartaxo: “Não participo de inauguração de pintura de obra”

nonato bandeiraDepois que o vice-prefeito Nonato Bandeira junto com o PPS oficializou o apoio à pré-candidatura a professora Cida Ramos, na disputa pela prefeitura de João Pessoa, o clima com o prefeito Luciano Cartaxo, e com os aliados da gestão municipal começou a ficar insustentável. Ontem Cartaxo disse que o vice tinha “miopia política” por não vê o trabalho realizado pela administração na Capital.

Já o secretário Hidelvânio Macedo acusou Nonato de ser omisso e de não participar das reuniões para deliberar sobre os avanços porque não queria trabalhar.

Neste sábado (21) foi a vez de Nonato Bandeira rebater as críticas e não poupou palavras.

“É melhor ter miopia do que fechar os olhos para os reais problemas de João Pessoa. O prefeito em vez de trabalhar de verdade prefere adotar uma postura de maquiar a cidade”, disparou Nonato.

Nonato reiterou as críticas à gestão da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) e ironizou as obras alardeadas por Cartaxo.

“Não racionalizou os gastos, não planejou a gestão de acordo com o orçamento e a capacidade de arrecadação e hoje tem que conviver com atraso no pagamento dos fornecedores e construtoras, comprometendo os serviços da PMJP e até o andamento das poucas obras em execução. Diante disso, tem que improvisar e anunciar obras que não existem. Ou pintar de branco obras que outros já fizeram”, pontuou.

Sobre a fala de Cartaxo de que ele teria perdido a chance de participar das ações da PMJP durante este mandato de vice-prefeito, Nonato alegou que preferiu evitar dar respaldo algo sem substância.

“Fui convidado para algumas dessas supostas obras, mas quando vi que não passavam de maquiagem, que ele queria fazer caridade com o chapéu alheio, inaugurar o que os outros fizeram no passado, aí não participei mais, evidentemente”, justifica.

Ele ainda comentou as declarações de Cartaxo sobre deixar o passado de lado e olhar só para o futuro.

“Realmente, ele esquece muito rápido o passado. Eu, não. Isso demonstra o tratamento que ele dispensou a mim, a Luciano Agra e outros companheiros que se juntaram a ele quando tinha apenas 5% nas pesquisas”, provocou


PB Agora