Nova audiência da Xeque-Mate acontece nesta segunda e réus e 32 testemunhas ainda serão interrogados

Nova audiência da Xeque-Mate acontece nesta segunda e réus e 32 testemunhas ainda serão interrogados

O juiz Henrique Jorge Jácome de Figueiredo, da 1ª Vara, preside a sessão e marcou essa nova audiência para às 8h30 (Foto: Walla Santos/ClickPB)

A segunda audiência de instrução da Operação Xeque-Mate acontece nesta segunda-feira (1º), no Fórum da Comarca de Cabedelo. O juiz Henrique Jorge Jácome de Figueiredo, da 1ª Vara, preside a sessão e marcou essa nova audiência para às 8h30. Mais 31 testemunhas de defesa e uma de acusação devem ser ouvidas ainda pela Justiça. Os nove réus também serão interrogados. Primeiramente, segundo informou  a assessoria do Tribunal de Justiça da Paraíba, serão ouvidos cinco réus de outros processos da mesma operação. Eles fizeram delação premiada.

Esses réus que fizeram delação premiada são o ex-presidente da Câmara, Lucas Santino, o vereador afastado Rosildo Pereira de Araújo Júnior (Júnior Da Tele), José Edgley Ramalho, Olívio Oliveira dos Santos, e Cleuriston Vasconcelos Bezerra Filho.

Na primeira audiência (foto acima) com quase 10 horas de duração, na quarta-feira (26), foram ouvidas cinco testemunhas apresentadas pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e mais 13 testemunhas de defesa.

A ex-primeira dama de Cabedelo e ex-presidente da Câmara, Jaqueline Monteiro França, além de Marcos Antônio Silva dos Santos, Leila Maria Viana do Amaral, Adeildo Bezerra Duarte Figueiredo da Silva respondem ao processo em liberdade.

Já os réus Wellington Viana França (Leto Viana, ex-prefeito de Cabedelo), Antônio Bezerra do Vale Filho, Lúcio José do Nascimento Araújo (também ex-presidente da Câmara) e Tércio de Figueiredo Dornelas Filho estão presos.

O Ministério Público já ofereceu outras cinco denúncias na Operação Xeque-Mate, todas aceitas pela Justiça.

Os nove acusados, segundo as denúncias, integravam uma organização criminosa em Cabedelo que teria sido responsável por vários episódios criminosos, dentre eles a compra e venda do mandato do ex-prefeito José Maria de Lucena Filho (Luceninha) e a sua consequente renúncia ao cargo; irregularidades na Prefeitura e na Câmara de Vereadores, com contratação de servidores fantasmas; e esquema de recebimento de dinheiro desviado do salário dos servidores municipais.

Constam ainda nas acusações outras irregularidades, como o financiamento de campanha de vereadores; atos de corrupção envolvendo a avaliação, doação e permuta de terrenos pertencentes ao erário municipal, que beneficiava diversas empresas, bem como ações ilícitas para impedir a construção do Shopping Pátio Intermares, com a distribuição de propina para vereadores, com atuação pessoal de Leto Viana.

ClickPB