Novo líder da oposição na CMJP considera gestão petista lenta e reclama de falta de obras na Lagoa - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Novo líder da oposição na CMJP considera gestão petista lenta e reclama de falta de obras na Lagoa

lucas de britoO vereador, líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa, Lucas de Brito (DEM) afirmou na manhã desta sexta-feira (10) que a gestão do prefeito Luciano Cartaxo (PT) não engrenou nos primeiros 12 meses e critica os poucos recursos, apesar da sintonia com o Governo Federal. As declarações foram dadas na Rádio CBN.

Lucas lembra da reforma do Parque Solon de Lucena (Lagoa) como um exemplo de que a gestão petista anda pouco. “A Lagoa é o retrato da cidade. Mostra como a gestão está lenta. Foi uma promessa do prefeito e foi dito que logo começariam os trabalhos de drenagem, mas em 12 meses não fez nada lá”, contou.

O vereador ressaltou o fato de que Cartaxo é único prefeito petista em uma capital nordestina e a expectativa de que a cidade fosse mais contemplada pelo Governo de Dilma Rousseff (PT) foi frustrada. “O 1º ano não foi operoso como a gente esperava. A esperança era de que os recursos caíssem aqui com mais facilidade”, concluiu.

Pedro Calado

Lixo e descaso no cartão-postal de João Pessoa: Lagoa vive dias de abandono

 lagoa

É difícil passar pelo Parque Solon de Lucena, no Centro da Capital, sem ter a impressão de que o lugar está abandonado. Lixo, calçadas, gradios e bancos quebrados e canteiros mal cuidados e falta de padronização do comércio informal são problemas vistos no cartão-portal da cidade. Desde setembro do ano passado, o estacionamento Lagoa 2 está entregue a flanelinhas. Na matéria publicada em 28 de novembro de 2013 no Correio, o superintendente-adjunto de Mobilidade Urbana (Semob), Roberto Pinto, garantiu que o gerenciamento do serviço seria retomado na segunda quinzena de dezembro, com a reforma do posto de fiscalização, que foi incendiado.

O estacionamento era controlado pela empresa Millenium Engenharia, mas o contrato foi encerrado em setembro do ano passado e não foi renovado. Em novembro, a Semob informou que ainda no começo deste ano seria aberta uma licitação para que uma nova empresa faça o controle do estacionamento. Porém, enquanto o processo não termina, a superintendência assumiria o gerenciamento do local na segunda quinzena de dezembro. Entretanto, o que se vê é o posto de controle depredado e abandonado e a ação dos flanelinhas e lavadores de carro no local.

A reportagem tentou entrar em contato, novamente, com a Semob para saber a respeito do processo licitatório e do processo de gerenciamento do estacionamento pela própria superintendência, mas até o fechamento desta edição, tanto o superintendente da entidade, Nilton Pereira, quanto o adjunto, Roberto Pinto, não atenderam os telefonemas após sucessivas tentativas.

“Aqui está tudo entregue às baratas”

Além do problema com o estacionamento, o principal cartão-postal da cidade sofre com o abandono: lixo acumulado, calçadas e bancos quebrados e sem condições de uso. Para Gorete Rodrigues, 51 anos, dona de uma das lanchonetes dos quiosques existentes no local, a situação de descaso é visível. “Aqui está tudo entregue às baratas. O lixo na Lagoa está grande, não vejo a coleta passar uma vez aqui. A gente ainda limpa a nossa parte, mas não vejo ninguém varrendo a sujeira aqui na área”, afirmou Gorete. De acordo com o superintendente da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), Anselmo Castilho, a limpeza do parque é feita pela manhã e à noite.

“Não temos problemas no Centro da cidade, às vezes são apenas questões pontuais que temos que resolver”, afirmou Anselmo. Ele alega que muitos comerciantes dispõem o lixo de forma irregular, fora do horário da coleta, o que resulta em calçadas tomadas pelo lixo na hora de mais movimento na região. “Os comerciantes devem sempre colocar o lixo para fora às 17h, que é a hora que realizamos a coleta. Iremos fazer uma ‘tropa de elite’ da fiscalização nos próximos dias, pois muitos lojistas colocam o lixo de maneira irregular. Vamos notificar os lojistas, tanto da praia quanto do Centro sobre essa disposição irregular, havendo a reincidência eles poderão ser multados”, explicou. Segundo Anselmo, não há previsão para a colocação de coletores para impedir que esse lixo fique disposto nas calçadas.

PMJP deve investir R$ 20 mi só no lago

lagoa2

O projeto de revitalização da Lagoa do Parque Solon de Lucena deve começar a sair do papel este ano.  A primeira, das três etapas do trabalho, prevê ações como desassoreamento, depuração, instalação de um anel para desvio do esgoto que hoje é despejado no local. Serão feitas ainda paredes de contenção reforçadas e um novo túnel para escoamento da água pluvial, que vai desaguar no Rio Sanhauá. A licitação ocorre em fevereiro. Só esta fase está orçada em R$ 20 milhões e não resolve os problemas do parque.

Rômulo Polari, secretário de Planejamento da Prefeitura de João Pessoa, ressaltou que o projeto é bastante complexo e exigiu um longo período para ficar pronto. “O estudo foi demorado. Ficamos debruçados sobre ele entre março e agosto. Em dezembro, encaminhamos para análise da Caixa Econômica Federal (CEF). O problema da demora é que houve paralisação dos bancos e acabamos perdendo tempo, mas o projeto vai ser concretizado”, declarou.

“A revitalização da Lagoa vai solucionar definitivamente o problema de transbordamento que ocorre toda vez que chove. O trabalho vai eliminar ainda o mau cheiro que tem no local, resultado da poluição do leito aquático”, afirmou. O secretário não informou quanto tempo dura a primeira etapa, nem quando as demais serão iniciadas.

Além da Lagoa, o Parque Solon de Lucena, como um todo receberá benefícios nas fases seguintes. Para isso, será utilizado o método não destrutivo. A meta é transformar o local em um grande parque, reurbanizado, com melhorias estruturais, incluindo a instalação de equipamentos socioeconômicos, esportivos e culturais. A população e os turistas, conforme o secretário, vão ganhar um espaço para lazer, descanso, contemplação, fazendo jus à importância turística que tem o espaço.

Jornal Correio da Paraíba