Novo presidente da Ucrânia promete acabar com "terror" no leste - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Novo presidente da Ucrânia promete acabar com “terror” no leste

presidente da ucrania petrochoO presidente eleito da Ucrânia, Petro Porochenko prometeu por um fim ao “terror” e acabar com a guerra no leste da Ucrânia. Na principal cidade da região, Donetsk, onde o movimento separatista pró-russo continua muito ativo, foram registrados novos tiroteiros nesta quarta-feira (28).

Após 48 horas de intensos combates, as forças governamentais da Ucrânia retomaram nesta terça-feira o controle do aeroporto da região rebelde de Donetsk, onde vivem mais de 1 milhão de pessoas. O Exército ucraniano também destruiu um acampamento de treinamento dos separatistas pró-russos na vizinha Lugansk.

O prefeito de Donetsk disse que os enfrentamentos deixaram 40 mortos, entre separatistas e soldados ucranianos, além de dois civis. Ele pediu aos moradores da cidade para evitar saírem de suas casas e até mesmo nas sacadas dos apartamentos. Várias lojas foram fechadas e as vitrines cobertas por placas de madeira ou de metal para evitar pilhagem. Escritórios também permaneceram fechados por medidas de segurança.

A preocupação agora é com o destino de quatro membros da missão de observação da Organizaçao para a Segurança e a Cooperação na Europa, a OSCE, que teriam sido sequestrados pelos separatistas, assim como um padre polonês. Os observadores seriam de nacionalidade dinamarquesa, estoniana, suíça e turca.

Plano para evitar corte de gás

Kiev e Moscou vivem uma tensão devido a chamada “guerra do gás” que preocupa os europeus, muito dependentes do produto russo que para chegar à Europa passa pela Ucrânia. O Kremlin ameaça cortar o envio de gás à Ucrânia caso o governo do país não pague adiantado as notas do mês de junho equivalentes a US$ 1,66 bilhão. Arruinada financeiramente, Kiev já acumula dívidas de mais de US$ 3 bilhões com a gigante fornecedora de gás russo Gazprom.

De acordo com um plano definido pelos europeus, Kiev e Moscou têm até a noite desta quarta-feira para aceitar o compromisso que prevê, num primeiro momento, o pagamento pelo governo ucraniano de 2 bilhões de dólares à empresa Gazprom.

Na terça-feira, os ucranianos disseram que o plano proposto pelos europeus não convém ao país e antes de reembolsar a dívida, exige garantias de uma redução no preço do produto.

 

RFI