‘O meio ambiente não pode ser tratado como se fosse Deus’, diz Chris Tonietto

‘O meio ambiente não pode ser tratado como se fosse Deus’, diz Chris Tonietto

Deputada federal falou sobre sua atuação na Câmara e sobre pautas voltadas aos interesses cristãosHanna Yahya/Poder360

A deputada federal Chris Tonietto (PSL-RJ) diz acreditar que os números negativos sobre a situação da Amazônia estão sendo inflacionados “para desmoralizar o governo” e que confia no presidente Jair Bolsonaro e no ministro escolhido por ele para cuidar da área, Ricardo Salles. A congressista critica a “politização” do tema e o que aponta como uma “inversão”, em colocar a natureza acima do homem.

“Não estou sendo contra evidência, não. Inclusive as pessoas que moram na Amazônia e que hoje são deputadas federais dizem isso, que eles, entre aspas, inflacionam os números, dizendo que os desmatamentos estão crescendo. Não estou dizendo que não haja, mas eu não acho que seja isso tudo o que eles tentam imputar. Tudo para desmoralizar o governo”, diz.

“Eu tomo muito cuidado com essas pautas ultra-ambientalistas, porque acho que elas têm uma carga ideológica muito séria e colocam o meio ambiente acima do ser humano. Isso é 1 absurdo”, continua.

“A gente está vivendo uma inversão de valores tamanha, que eu tomo muito cuidado porque, na verdade, o meio ambiente deve servir ao homem. O homem é a coroa da criação, é a obra-prima mais perfeita de Deus (…), então ele precisa respeitar, preservar o ambiente, sim, mas o meio ambiente também não pode ser tratado como se fosse Deus”.

Em entrevista concedida ao Poder360 na última 5º feira (22.ago), a deputada também fala sobre aborto, família, laicidade do Estado e economia. Assista à íntegra (37min44s) abaixo:

Chris Tonietto tem 28 anos e nasceu na cidade do Rio de Janeiro. Ela é advogada e está no seu 1º mandato, conquistado com 38.525 votos. Seu discurso e sua atuação são pautados na defesa de valores cristãos, que ela considera que “fundaram a civilização ocidental” e que compõem a maioria do povo brasileiro. Faz parte da chamada bancada ideológica do governo, cujas pautas são voltadas a questões morais.

Integrante do Centro Dom Bosco (CDB), entidade cultural católica liderada por leigos, ela afirma que foi justamente seu engajamento na Igreja Católica que fez com que amigos e familiares a incentivassem a entrar na carreira política. A deputada costuma fazer orações e discursos voltados para a religião no Plenário da Câmara e vê sua atuação política como uma “missão”.

Radicalmente contra o aborto, ela é autora de Projeto de Lei (o PL 2893/2019) para revogar, no Código Penal, as permissões existentes para a prática, como o estupro. Leia os principais trechos da entrevista abaixo:

Poder360: Inicialmente, eu queria saber como foi sua infância e adolescência, onde a senhora cresceu e como é sua família.
Chris Tonietto: O berço da minha família é católico. Então, desde muito pequena já cultivo os valores morais cristãos, valores em defesa da vida, da família. Cresci, também, em 1 colégio que é confessional, colégio religioso, e lá eu tive minha iniciação cristã: fiz minha Primeira Comunhão, minha Crisma, os 2 sacramentos da iniciação cristã também. Pra mim, na verdade, minha infância, minha juventude sempre foi muito baseada nesses valores e princípios. Como eu disse, isso vem de berço, veio da minha casa.

A senhora já disse que vê a política como uma missão, 1 apostolado. Foi dentro da Igreja que a senhora se interessou pelo assunto?
Na realidade, essa questão politica é até engraçada, porque eu nunca tive qualquer pretensão política, muito pelo contrário. Minha ambição de vida, minha ambição pessoal era ingressar no Ministério Público, eu queria fazer concurso público para tentar ser promotora de Justiça, esse era meu sonho, digamos assim, humano, mas aprouve a Deus que eu estivesse aqui no parlamento brasileiro (…).
Porém, em razão das defesas que eu tenho, dessas bandeiras que eu defendo e também através de inúmeros seminários que eu já dei inclusive dentro da Igreja, em defesa da vida e da família, ou seja, contra o aborto e contra a ideologia de gênero, querendo ou não, eu acabei ficando 1 pouco conhecida naquele meio, e muitas pessoas começaram a dizer que eu era vocacionada à política.

No início, eu resisti bastante, eu não entendia muito bem, eu achava que aquilo ali, para mim, na realidade, era muito distante. Eu não imaginava, eu não conseguia me ver na política (…). Então, querendo ou não, recebi muito incentivo de integrantes da Igreja. Embora a Igreja Católica seja apartidária, é bem verdade que os católicos não podem ter medo de se envolver na política.
Eu costumo dizer: se os bons não entram na política, nós seremos eternamente governados pelos maus, e foi esse meu grande motivador. Por isso que eu resolvi dar meu sim à política nesse sentido, de tentar concorrer a 1 cargo eletivo de deputada federal e aprouve a Deus que eu estivesse aqui, tivesse sido eleita e agora pudesse abraçar tudo aquilo que na verdade eu sempre abracei, mas agora abraçar na política e defender de forma contundente aquelas pautas.

Já sofreu algum tipo de crítica dentro da Câmara ou até mesmo de eleitores sobre separação de religião e política, Igreja e política?
O tempo todo a gente é interpelado de alguma forma, e muitas pessoas tentam colocar exatamente essa discussão à tona: o Estado é laico. Eu sempre respondo da seguinte forma: o Estado pode ser laico, mas eu não sou laica, eu sou uma cristã católica. É uma frase que o próprio Bolsonaro já disse e ele tem toda razão, porque o Estado ser laico significa que ele tem que respeitar todas as denominações religiosas, todas as religiões, principalmente aquele que compõem a maioria do povo brasileiro, que é a católica.
Por incrível que pareça, a Igreja Católica é a mais achincalhada, os cristãos, de uma forma geral, são os mais achincalhados, são os mais perseguidos. Parece que o cristão não pode se levantar pra falar e defender nada que a todo momento é achincalhado, isso é 1 absurdo. Então, eu sinceramente defendo sim, sou católica e não tenho como deixar de sê-lo nem na política nem em lugar nenhum, porque é uma essência.
Eu acho o seguinte, é a nossa identidade, e a gente não pode abrir mão da identidade, seria uma tremenda hipocrisia se eu dissesse diferente. Então eu pauto, sim, o meu mandato por princípios e valores que fundaram a civilização ocidental, pauto sim meu mandato por esses princípios que são, pra mim, inegociáveis, e se eu agisse diferente disso, poderiam me chamar de hipócrita, mas nesse caso vocês podem ficar tranquilos porque hipócrita eu não sou.

Queria falar da atuação da senhora contra o aborto. A senhora pretende atuar para reverter a lei atual que permite em alguns casos?
Não só pretendo, como já estou atuando. Já existe 1 projeto de lei de minha autoria, o PL 2893/2019, que trata exatamente da revogação do Artigo 128 do Código Penal. Sim, sou radicalmente contra o aborto. Eu acho que é algo indefensável. Porque eu falo isso com muita tranquilidade? Vamos supor, a pauta do estupro, realmente, ninguém vai defender o estupro ou o estuprador.  Justamente porque nós não queremos defender o estupro ou o estuprador, nós temos que ter esse olhar muito responsável.
Então, o que acontece: a vida começa na concepção. Isso é uma evidência científica. Tem gente que tenta imputar apenas 1 argumento religioso, mas não, é uma questão científica.

Eu poderia até tirar o argumento religioso e colocar apenas argumentos científicos. A vida começa na concepção, a ciência atesta isso muito bem. Então, a qualquer momento que se tirar a vida de alguém, significa cometer 1 homicídio. A diferença é só o momento da execução: se for fora do útero materno, ou seja, 1 homicídio extra uterino, vai estar tipificado no Artigo 121 do Código Penal.
Agora, há o homicídio intrauterino, que as pessoas tentam colocar 1 eufemismo para aborto. O aborto é 1 eufemismo para assassinato de bebês no ventre materno. Isso eu não posso aceitar porque eles são os mais indefesos, são os mais vulneráveis de todos os seres. Então, por óbvio, nós temos o dever moral de defendê-los.
Tem gente que diz “ah, mas no caso de estupro…”. O estupro é algo gravíssimo que precisa ser, de fato, combatido de todas as formas. Mas não se combate estupro com aborto, se combate com o fortalecimento da segurança pública.
Nós não queremos nenhuma mulher estuprada no Brasil. Mas uma vez, Deus me livre e guarde… A mulher, sendo estuprada, ela precisa de todos os subsídios do Estado, sim, como assistência psicológica, assistência material, assistência integral à mulher, não para legitimar o aborto, mas para dar assistência a essa mulher para que seja impensável o aborto. E se porventura ela não quiser ter o filho, é 1 direito que ela tem. Agora, que seja facilitado, então, o processo de adoção. O que não pode ser algo pensável é exatamente o aborto, que é 1 assassinato.

Tem se falado bastante das queimadas que estão acontecendo e do desmatamento. A senhora é do partido do presidente, tem acompanhado esse assunto?
Eu confio muito na presidência do Bolsonaro –nele como pessoa, evidentemente, e também como presidente da República. Ele indicou o Ricardo Salles, que está cuidando de toda essa pasta do Ministério do Meio Ambiente. Essa questão, eu só tenho 1 cuidado porque muitas pessoas querem colocar ideologia onde não deveria ter.
Então quando a gente pensa em meio ambiente, as pessoas tentam politizar o meio ambiente de tal forma que elas colocam uma pecha “ah, porque o desmatamento no Brasil está acabando a Amazônia, ela está sendo destruída”. Gente, eu fui na Amazônia, eu fiquei 16 dias na Amazônia, inclusive, fiquei em 3 tribos de 2 etnias diferentes, em 2007 (…).
Não estou sendo contra evidências, não. Inclusive as pessoas que moram na Amazônia e que hoje são deputados federais dizem isso, que eles, entre aspas, inflacionam os números, dizendo que os desmatamentos estão crescendo. Não estou dizendo que não haja, mas eu não acho que seja isso tudo o que eles tentam imputar, tudo para desmoralizar o governo.
Eu tomo muito cuidado com essas pautas ultra ambientalistas porque acho que elas têm uma carga ideológica muito séria e colocam o meio ambiente acima do ser humano. Isso é 1 absurdo. Eu nunca vi, tem gente que defende, por exemplo, o ovo de uma tartaruga, mas não defende o bebê no ventre materno; é 1 disparate.
A gente está vivendo uma inversão de valores tamanha, que eu tomo muito cuidado porque, na verdade, o meio ambiente deve servir ao homem. O homem é a coroa da criação, é a obra-prima mais perfeita de Deus, então o homem precisa, sim, zelar pelo meio ambiente que foi feito para ele, para que ele extraísse o alimento da terra, sem dúvida.
Então o homem precisa respeitar, preservar o ambiente, sim, mas o meio ambiente também não pode ser tratado como se fosse Deus. Então as pessoas às vezes consideram o meio ambiente Deus e o ser humano, que é a obra prima da Criação, está sendo relegada a último plano. Por isso eu tomo muito cuidado com essas pautas.

QUIZ DO PODER

A deputada federal foi questionada se era contra ou a favor de temas significativos.

  • Flexibilização do aborto: contra.
  • Liberação do consumo recreativo de drogas mais leves: contra“Sou contra todos os tipos de drogas e todos os tipos de vícios”.
  • Maconha medicinal: contra.
  • Liberação do porte de armas: a favor“Legítima defesa, faz parte do direito natural. É lícito e é moral, inclusive (…) Agora, é claro, que tem que ser algo muito responsável, ninguém vai defender a violência”.
  • Escola sem Partido: a favor“A escola é lugar de produção de conteúdo e de conhecimento, mas infelizmente tem se tornado 1 ambiente de doutrinação ideológica”.
  • Redução da maioridade penal: a favor“Não é uma solução de modo algum, mas acaba tendo que ser 1 caminho para coibir práticas criminosas que, infelizmente, cada vez mais têm cooptado os jovens”.
  • Redução do número de deputados no Congresso: a favor.
  • Sistema de capitalização da aposentadoria: indecisa“Eu sou católica e o que me rege são os princípios cristãos católicos, então eu sou regida 100% pela Doutrina Social da Igreja, e essa doutrina tem princípios, entre eles o da solidariedade. A capitalização, indiretamente, acaba ferindo esse princípio. Eu como, católica, preciso fazer uma análise muito mais crítica a esse tipo de coisa.”
  • Pacote de privatizações: a favor“Eu sou a favor de certas privatizações, sim, não todas, claro. A gente tem que fazer uma análise caso a caso”.

Poder360