O melhor mexicano em atividade não venceu a Copa Ouro, e por opção

O melhor mexicano em atividade não venceu a Copa Ouro, e por opção

O México sagrou-se campeão da Copa Ouro neste domingo ao derrotar o seu maior rival, os Estados Unidos, em Chicago. Jonathan dos Santos esteve em destaque com o gol do título, assim como Raúl Jiménez, com assistência de calcanhar e outros cinco gols ao longo da campanha. No entanto, pode-se dizer que nenhum dos dois é o grande nome mexicano do momento, e poucos teriam argumentos para defender o contrário.

Apenas um dia antes da grande final entre as duas seleções norte-americanas, outro jogador mexicano brilhou nos Estados Unidos, embora do outro lado do país, em Los Angeles. Carlos Vela foi o principal responsável pela goleada de 6 a 1 do Los Angeles FC sobre o Vancouver Whitecaps, com dois gols e uma assistência, pela Major League Soccer. Uma exibição fora do comum, mas que na realidade tem sido a regra para o jogador em 2019.

Vela tem 21 jogos disputados até o momento na temporada norte-americana. Anotou 21 gols, 19 deles na MLS, liderando a artilharia do torneio. O atacante é também o líder em assistências, com oito passes para gol. Com 30 anos, o atacante parece se sentir à vontade no Los Angeles FC, tanto que já igualou a sua melhor marca de gols em um ano, repetindo o número da temporada 2013/14, pela Real Sociedad.

Ainda não está convencido da boa fase de Vela? Vale então a comparação com outro grande nome em atividade na MLS. Ibrahimovic, do LA Galaxy tem um expressivo número de 13 gols na temporada e três assistências na temporada, em 15 jogos, ainda assim ofuscado pelo atacante mexicano. De fato, Ibra pode se gabar de ser um dos melhores do mundo de sua geração, mas hoje não é o melhor nem mesmo dentro da sua cidade. Inclusive, o Los Angeles FC lidera a sua chave na MLS com boa vantagem, de nove pontos, sobre o Galaxy.

Com tudo isso, muitos devem se perguntar o motivo de Carlos Vela não estar comemorando o título da Copa Ouro sob o comando de Tata Martino. E a resposta é simples: por opção pessoal. Martino chegou a conversar com Vela antes da competição e não conseguiu convencer o jogador a retornar a equipe. Vela preferiu priorizar a “família” e o “clube”.

Não é a primeira vez que Vela se recusa a jogar pelo México. O fez no passado entre 2011 e 2014, aparentemente por represália. O atacante tinha sido punido por indisciplina, por participar de uma suposta festa depois de jogo amistoso contra a Colômbia, e pareceu ter perdido muito do interesse em defender sua seleção, embora tenha retornado a equipe depois da Copa do Mundo do Brasil. A ausência de Carlos Vela, no fim, parece não ter causado efeitos colaterais negativos.

O México ganhou a Copa Ouro sem ele, e o Los Angeles FC viu seu atacante marcar quatro gols em quatro jogos no mesmo período. Não deixa de ser curioso, no entanto, saber que o melhor jogador mexicano em atividade provavelmente acompanhou o título de seu país sentado em seu sofá, com sua família, em paz com sua escolha.

O Gol