O sexo culpado - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

O sexo culpado

sexo culpadoComentando o “Se eu fosse você”

A questão da semana é o caso do internauta que ficou viúvo, transou com a vizinha que o assediou e se sente culpado. Imagina estar traindo a esposa falecida.

Dizem que quando um homem de mais de 60 anos fica viúvo, o enterro de sua esposa é concorridíssimo. Mulheres viúvas, separadas ou solteiras tentam chegar primeiro para consolá-lo e quem sabe, a partir daí, iniciar um romance. Nem é necessário conhecê-lo bem. Basta ser o primo da cunhada da vizinha, que já é suficiente.

Várias pessoas me juraram que esta história é verdadeira e que acontece com certa frequência. Pode até ser, não sei. Mas, na realidade, pesquisas mostram que o período máximo que um viúvo fica sozinho não passa de um ano. E isso ocorre porque é muito maior o número de mulheres disponíveis para o casamento do que o de homens, na medida em que elas são mais atingidas pela viuvez. A mulher, além de viver mais, até algum tempo atrás só se casava com homens bem mais velhos.

Entretanto, observamos que os sentimentos de vergonha e culpa, tão presentes na nossa cultura, fazem com que quase todos se recriminem por suas atividades sexuais ou mesmo por seus desejos, como se não fossem algo humano. No mundo ocidental, o corpo é impuro de nascença, visto como inimigo do espírito.

Aprendemos a nos sentir envergonhados e culpados por ele, principalmente pelos órgãos sexuais e suas funções. E mesmo quando se consegue rejeitar conscientemente todo esse moralismo, a mensagem negativa é absorvida sem que se perceba. E o sexo sendo visto como algo tão perigoso leva a maioria a renunciar à própria sexualidade, ficando quieta no seu canto.

Muitos homens e mulheres que se casaram antes da liberação dos anos 70 carregam pela vida uma moral sexual rígida e repressora. Foram criados com uma visão do sexo bem diferente da que se tem hoje, e havia pouco espaço para o prazer. Contudo, quem está com mais de 60 anos e conseguiu se livrar dos antigos preconceitos, passando a aceitar o sexo como importante e natural, esbarra agora em outro obstáculo social.

É a crença tão difundida socialmente de que na velhice as pessoas são assexuadas, como se sexo e juventude fossem sinônimos. Assim, o homem estaria condenado à impotência e a mulher, depois da menopausa, não se interessaria mais pelo assunto. Mas nada disso é verdade. Apesar de toda a transformação fisiológica que ocorre com o envelhecimento não existe limite para o exercício da sexualidade e, sem dúvida, homens e mulheres podem ter muito prazer sexual até o fim da vida.

Uol Mulher