João Pessoa 14/12/2018

Início » Destaque » Onyx abandona entrevista após pergunta sobre ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Onyx abandona entrevista após pergunta sobre ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Coaf investiga transferências de R$ 1,2 mi - Michelle Bolsonaro recebeu R$ 24.000

Ministro Extraordinário da transição de governo. Brasilia, 12-11-2018. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

Lorenzoni se irritou com perguntas feitas pelos jornalistasS

O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, se irritou com perguntas de jornalistas sobre a transferência de R$ 24.000 da conta de 1 motorista do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e abandonou uma entrevista à imprensa nesta 6ª feira (7.dez.2018).

Após 1 evento do grupo Lide, em São Paulo, Lorenzoni falou com jornalistas. Foi questionado com insistência sobre o relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontando movimentações financeiras atípicas no valor de R$ 1,2 milhão na conta do ex-assessor e ex-motorista de Flávio Bolsonaro, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017.

O documento é fruto do desdobramento da Operação Furna da Onça, ligada à Lava Jato no Rio.

“Setores estão tentando destruir a reputação do sr. Jair Messias Bolsonaro. No Brasil, a gente tem que saber separar o joio do trigo. Nesse governo é trigo. (…) Onde é que estava o Coaf no mensalão, no petrolão?”, disse.

Onyx afirmou que queriam misturar o governo Bolsonaro com o governo do PT. Foi aí que ele se irritou, questionando quanto ganhava 1 dos repórteres e abandonou a entrevista.

“Eu lá sou investigador? Qual é a origem do dinheiro? Quando o senhor recebeu este mês? Não tem cabimento essa sua pergunta”, disse o ministro. “Um milhão eu não recebi”, respondeu o repórter.

Assista abaixo a cena registrada pelo repórter Pedro Durán, da rádio CBN e publicada no Twitter:

Vídeo incorporado

Pedro Durán@pedromeletti

Veja o momento em que o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, abandona coletiva de imprensa em evento do Lide. Ele foi perguntado sobre as investigações da Coaf, de onde vinha o R$1,2 mi do segurança do futuro Sen. Flávio Bolsonaro. E questionou o salário de um repórter:

FLÁVIO BOLSONARO

Pelo Twitter, Flávio Bolsonaro informou não ter conhecimento de qualquer “informação que desabone a conduta do ex-assessor parlamentar”. Segundo ele, Queiroz foi exonerado em outubro, a pedido, para se aposentar. Ele destacou que Queiroz trabalhou por mais de dez anos como seu segurança e motorista e construiu uma “relação de amizade e confiança” com o ex-assessor.

Fabricio Queiroz trabalhou comigo por mais de dez anos e sempre foi da minha confiança. Nunca soube de algo que desabonasse sua conduta. Em outubro foi exonerado, a pedido, para tratar de sua passagem para a inatividade. Tenho certeza de que ele dará todos os esclarecimentos.

CAIXA 2

Sobre a investigação de possível recebimento de caixa 2 em 2012 e 2014, Onyx disse ainda que “nunca” teve “nada a ver com corrupção” e que ninguém nunca vai vê-lo “envolvido com corrupção”.

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin atendeu nesta semana 1 pedido feito pela Procuradoria Geral da República e determinou a abertura de uma petição autônoma específica para analisar as acusações de caixa 2 feitas por delatores da J&F ao futuro ministro da Casa Civil.

Segundo as investigações, a JBS doou recursos via caixa 2 a Onyx em 2012 e 2014.

Na delação da J&F, Ricardo Saud afirmou que futuro ministro da Casa Civil recebeu em 2014 R$ 200 mil por meio de 1 empresário do mesmo ramo de atividades da JBS, Antonio Jorge Camardelli, que é presidente da Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne).

Em 2012, segundo a delação, foram entregues R$ 100 mil ao então deputado.

“Agora, com a investigação autônoma, eu vou poder esclarecer isso tranquilamente, porque eu nunca tive nada a ver com corrupção”, disse o gaúcho, responsável pela transição do novo governo.

(com informações da Agência Brasil)