Operação da Polícia Federal investiga rede de pedofilia em 14 estados - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Operação da Polícia Federal investiga rede de pedofilia em 14 estados

Rede de pedofiliaCerca de 200 policiais federais cumprem 40 mandados de busca e apreensão em 14 estados, no âmbito da Operação Proteja Brasil, que combate crimes de pedofilia e difusão na internet de imagens com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. O objetivo é conter os crimes de abuso e violência sexual infantojuvenil no Brasil, principalmente, no período da Copa do Mundo.

A operação é coordenada pela Unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil pela Internet. Dos 40 mandados, dez foram cumpridos no Rio Grande do Sul, seis em Pernambuco e cinco em São Paulo. Há também mandados sendo cumpridos em Alagoas, no Ceará, Espírito Santo, Paraná, Rio de Janeiro, em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Roraima, Santa Catarina e no Tocantins.

Em Pernambuco, dois mandados foram no Recife, dois em Olinda, um em Paulista e um em Carpina, expedidos pela 4ª e 13ª Vara Criminal da Justiça Federal. Os mandados integram investigações em cinco inquéritos policiais. Quatro pessoas foram ouvidas e liberadas. Discos rígidos, dois notebooks, pen drives e CDs foram apreendidos. A PF vai averiguar o conteúdo desse material, que estava sob responsabilidade das quatro pessoas. Caso seja encontrado algo, os responsáveis podem ser indiciados.

Foram feitas prisões em flagrante: duas no Rio Grande do Sul, uma no Paraná, uma em Minas Gerais e uma em Goiás. Em Pernambuco, um homem foi preso em flagrante após a PF encotnrar em seu computador imagens de nudez de uma menina. O home poderá pagar uma fiança de R$ 1.000 e responder ao inquérito em liberdade.

Nas três últimas operações de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes, feitas pela PF (Glasnost, Pureza 2 e Infância Segura), 100 pessoas foram acusadas de cometer esse tipo de crime. Desde janeiro de 2013, 1.441 inquéritos foram instaurados para investigar crimes de pornografia infantil.

 

Jornal do Commercio