Opinião: mas afinal, existe explicação racional para Roberto Santiago está supostamente envolvido em dois escândalos?

O que faz uma das pessoas mais ricas do país, proprietária dos maiores shoppings da Paraíba, buscar supostos atos ilícitos não necessários para manter sua fortuna? Não se sabe ao certo, mas aqui busco luz em texto judaico milenar: “A ganância insaciável é um dos tristes fenômenos que apressam a autodestruição do homem.”

E aqui falo do empresário Roberto Santiago, homem muito querido na sociedade paraibana, responsável por gerir milhares de empregos no estado, cujas referências dos seus funcionários e pessoas intimamente ligadas a ele respaldam sua generosidade e humanismo.

Mas então, como explicar sua suposta atuação na chamada operação Xeque Mate, que investiga casos de uma organização criminosa que atuava na prefeitura de Cabedelo? E agora Santiago surge noutra crise de corrupção que vem abalando a Paraíba. Ele é citado na propalada Operação Calvário.

Pelo menos é o que afirma a ex-secretária de Administração da Paraíba, Livânia Farias que, segundo ela, o empresário era responsável pela “compra” de deputados estaduais para servirem a um esquema criminoso envolvendo a gestão do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) e a organização social Cruz Vermelha.

Revelou Livânia Farias em sua delação: “Vocês não sabem fazer política. Vou mostrar como se faz. Precisamos adoçar a boca dos deputados”, teria dito Roberto Santiago. A ex-secretária afirmou, de forma veemente, que os valores do mensalão ficavam em torno de R$ 30 a R$ 50 mil.

E na mesma peça da delação Livânia Farias informou que, mesmo recebendo das mãos de Roberto Santiago a hipotética propina, os parlamentares tinham conhecimento que o pagamento era realizado pelo Governo do Estado.

E nesse estado de grande confusão, confusão essa que põe a Paraíba de joelhos, caso Roberto Santiago efetivamente tenha buscado expediente pouco ortodoxo para melhorar dos seus vultosos rendimentos; a explicação reside, de forma efetiva, na ganância insaciável. Aquela que destrói o ser humano e seu próprio lar.

Eliabe Castor
PB Agora