Oposição visita aterro onde foi transportado 200 mil toneladas de lixo da lagoa

Oposição visita aterro onde foi transportado 200 mil toneladas de lixo da lagoa

vereadores oposiçãoOs vereadores da bancada de oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) visitaram, na manhã desta sexta-feira (16), o aterro sanitário metropolitano, onde supostamente foram colocados os resíduos da lagoa do Parque Sólon de Lucena, na capital. Eles constataram que, apesar das notas fiscais pagas pela pela Prefeitura Municipal à COMPEC terem sido algo entorno de R$ 8 milhões,o lixo não se encontra no aterro.

A visita foi feita pelos vereadores Raoni Mendes (PTB), Renato Martins (PSB e Zezinho do Botafogo (PSB). No aterro, os parlamentares buscaram informações sobre as 200 mil toneladas de resíduos que a Prefeitura Municipal afirmou ter retirado da lagoa e transportado para o local.

Eles conversaram com técnicos e agentes de limpezas, porém, nenhum dos funcionários confirmaram ter visto caminhões compatíveis transportando lixo ao aterro com a quantidade aproximada das 200 mil toneladas anunciadas. O líder da bancada de oposição, Raoni Mendes, cobrou explicações das autoridades responsáveis.

“É preciso que a prefeitura comprove para onde foi levado o lixo, pois são R$ 8 milhões pagos a Compec. Os pessoenses precisam saber para onde está indo o dinheiro público gasto pela prefeitura. A PMJP precisa comprovar”, disse o parlamentar.

O vereador Renato Martins explicou que no local há uma célula de lixo incompleta, onde é colocado todo o lixo da cidade de João Pessoa, e provavelmente não há nem 80 mil toneladas. “A técnica do local mostrou o lugar onde foram colocados os resíduos pela Compec. Acredito que no lugar não há nem 100 toneladas, quanto mais 200 mil”, explicou.

De acordo com os cálculos do vereador, para se transportar 200 mil toneladas de lixo, seria necessário pelo menos 100 caçambas trabalhando 24 horas por dia durante quatro meses. “A quantidade existente não deve ter sido trazida nem por 12 caminhões”, disse.

A bancada de oposição sugeriu encaminhar a denúncia ao Ministério Público Estadual (MPPB). “A melhor solução é encaminhar o caso ao MP, pois a prefeitura tem negado informações aos parlamentares e à população”, disse Zezinho do Botafogo.

Ascom