Padrasto acusado de engravidar enteada é condenado a 20 anos de prisão

O homem acusado de estuprar e engravidar a própria enteada, de apenas 11 anos, foi condenado a 20 anos de prisão em regime fechado após audiência realizada na última sexta-feira (12). Odomilson Barbosa da Silva, de 50 anos, foi preso em setembro do ano passado.

Atualmente, o homem se encontra detido no Presídio do Róger, em João Pessoa. A condenação foi proferida pelo juiz Manoel Abrantes, da 3ª Vara Regional de Mangabeira. Após a condenação, a defesa de Odomilson Barbosa afirmou que vai recorrer da decisão.

A série de estupros foi descoberta depois que uma enfermeira do Posto de Saúde da Família (PSF) do bairro do Grotão, em João Pessoa, detectou possíveis indícios de abuso sexual em maio de 2017. Durante o atendimento, foi descoberto que a menina já estava no 5º mês de gravidez.

Ela deu à luz em uma maternidade na capital e teve complicações após o parto, chegando a ser internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A investigação da Polícia Civil apontou o padrasto da criança como principal suspeito. A menina informou à polícia que a violência sexual era algo recorrente e que acontecia em um sítio na Zona Sul de João Pessoa, onde o agressor a levava sob o pretexto de “catar cocos”.

O padrasto fugiu logo após a gravidez ser descoberta e foi preso em Recife no dia 13 de setembro. Odomilson chegou a negar o crime e um exame de DNA foi realizado para confirmar os estupros.

As informações são do Jornal da Paraíba.