Para 66%, PMDB traiu presidente Dilma

Para 66%, PMDB traiu presidente Dilma

temer traidorO vice-presidente Michel Temer: se Dilma sofrer o impeachment, ele assume o Poder Executivo
O nada surpreendente, porém sem precedentes, rompimento do PMDB com o governo federal não agradou nem um pouco os eleitores do País. É o que mostra levantamento do instituto Digzoo realizado entre leitores do portal iG entre 30 e 31 de março.

Para 66% dos internautas que participaram da pesquisa, o PMDB traiu a presidente Dilma Rousseff ao encerrar a aliança de 13 anos que mantinha com o Partido dos Trabalhadores – relação que vinha desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva até o atual.

A crítica ao PMDB é mais enfática entre os internautas com entre 25 a 34 anos e entre 35 e 49 anos: 68% e 70%, respectivamente. Por outro lado, na faixa etária acima de 65 anos, 51% discordam e acreditam que o partido não traiu Dilma.
Leia também
Impasse com PMDB faz Dilma adiar anúncio de reforma ministerial
Cid Gomes protocola pedido de impeachment contra Michel Temer
Impeachment de Michel Temer será analisado pelo Supremo Tribunal Federal
Requião expõe racha no PMDB: “Governo Temer seria desastre igual ao de Dilma”
O resultado é um reflexo da própria posição do presidente do PMDB no atual governo federal. Desde que a atual chefe do Poder Executivo assumiu seu cargo, em 2011, Temer já era vice-presidente de Dilma, portanto esteve ao seu lado ao longo de todos os anos da petista no Palácio do Planalto.

Na sexta-feira (1º), o nome de Temer começou a ganhar destaque no Legislativo e no Judiciário em meio ao avanço do impeachment da presidente Dilma, que terá de apresentar sua defesa à comissão que vota sua saída do Planalto já na segunda-feira (4).

Na ocasião, Cid Gomes, ex-governador do Ceará e ex-ministro de Dilma, protocolou uma ação de impeachment contra Temer, ao mesmo tempo em que o Supremo Tribunal Federal confirmou que analisará um pedido pela saída do vice-presidente de seu cargo.

O primeiro pedido é baseado em depoimentos de delatores da Operação Lava Jato que incriminariam o vice-presidente como beneficiário do esquema de propina instalado na Petrobras. O segundo ainda co-responsabiliza o vice pelas chamadas “pedaladas fiscais” de Dilma, principal argumento do impeachment em análise na Câmara.

Realizada entre 30 e 31 de março, após o desembarque do PMDB do governo e os protestos dos apoiadores de Dilma realizados em todo o Brasil, a amostra do instituto de pesquisas Digzzo em parceria com o iG contou com a participação de 3.985 internautas.