João Pessoa 19/03/2019

Início » Economia » Para economistas, Copom deve manter Selic em 6,5% a.a. na 1ª reunião do ano

Para economistas, Copom deve manter Selic em 6,5% a.a. na 1ª reunião do ano

A Selic é o principal instrumento do Banco Central de controle à inflação

O Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) inicia nesta 3ª feira (5.fev.2019) sua primeira reunião no governo do presidente Jair Bolsonaro. A expectativa unânime dos economistas consultados pelo Poder360 é de manutenção da taxa básica de juros da economia brasileira em 6,5% ao ano.

Se confirmada, será a 7ª vez consecutiva que o colegiado decide manter a Selic na mínima histórica. A decisão será conhecida após o 2º dia de reunião, nesta 4ª feira (6.fev), a partir das 18h20.

Para os economistas, o comportamento controlado da inflação será suficiente para justificar a manutenção da taxa em 1 patamar considerado estimulativo para a economia.

“A inflação está abaixo da meta, as expectativas estão ancoradas, a atividade econômica ainda está fraca. Tudo isso permite a manutenção da taxa até o final do ano”, afirma o economista-chefe da Sulamérica Investimentos, Newton Rosa.

No boletim Focus divulgado nesta 2ª feira (4.fev), os analistas de mercado consultados pelo BC projetavam que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, ficará em 3,94% no final de 2019. Há uma semana, esperavam 4%. Há 1 ano, 4,25%.

De acordo com as previsões, portanto, a taxa deve ficar abaixo do centro da meta para o ano –que é de 4,25%, com 1,5 ponto percentual de tolerância para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

Os economistas reduziram também a expectativa para a taxa básica de juros em 2019. De acordo com o Focus, esperam que a Selic permaneça estável em 6,5% ao ano. Há uma semana, falavam em 7% e há 1 ano, em 8%.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SELIC EM 2019

Alguns analistas já apostam em nova queda da Selic até o final deste ano. O economista-chefe da Genial Investimentos, José Márcio Camargo, projeta que a taxa fique em 6% ao ano em 2019.

Para ele, no entanto, uma nova queda está diretamente ligada à aprovação da reforma da Previdência. “Esse cenário parte do pressuposto de que a reforma será aprovada rapidamente […]. O ideal é aprovar até junho”, disse em entrevistaao Poder360.

Camargo acredita que o colegiado deve optar pela manutenção da taxa no patamar atual até a aprovação efetiva do projeto que muda as regras do sistema previdenciário.

Na ata da última reunião, o Copom voltou a destacar que “a continuidade do processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para a queda da sua taxa de juros estrutural”.

Para os economistas, a condução da política monetária ao longo do ano dependerá também de como a atividade econômica reagirá a essa agenda de reformas proposta pelo governo Bolsonaro.

Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, acredita que o BC precisará analisar se a aprovação dos projetos será suficiente para impulsionar a economia. “A política monetária tem muito trabalho pela frente. Os próximos passos dependerão de como o mercado vai reagir a cada mudança.”

Rosa destaca, ainda, que se o aumento da confiança trouxer mais dinamismo à economia, ou seja, gerar mais consumo e mais investimentos, pode ser que o estímulo adicional se torne desnecessário.

ENTENDA A SELIC E O COPOM

A Selic, definida durante encontros do Copom, é o principal instrumento do Banco Central de controle à inflação. Taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do comitê.

Quando a inflação está alta, o BC sobe a taxa básica de juros, aumentando o custo do crédito e a remuneração de investimentos em renda fixa. Esse movimento desestimula os gastos do consumidor e os investimentos das empresas, o que acaba aliviando a pressão sobre os preços.

Por outro lado, quando a inflação dá sinais de desaceleração, abre-se espaço para a redução da taxa de juros. Esse movimento tende a incentivar a atividade e o crescimento econômico.

O Copom é formado pelos membros da diretoria do BC. Seu principal objetivo é estabelecer as diretrizes da política monetária e garantir o cumprimento da meta de inflação, definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional).

A reunião tem duração de 2 dias. No 1º, é apresentada uma análise da conjuntura. No 2º, é definida a nova taxa básica de juros da economia.

Poder360