Paraibano, dono da Caoa, vai depor na CPI que apura compras de MPs

Paraibano, dono da Caoa, vai depor na CPI que apura compras de MPs

carlos alberto -caoaO empresário paraibano Carlos Alberto de Oliveira Andrade, presidente do Conselho de Administração do grupo, que representa a montadora sul-coreana no Brasil, foi intimado para depor na CPI que investiga suposto esquema de fraude em julgamentos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Ele é um dos investigados na nova fase da Operação Zelotes, que foi deflagrada nessa segunda-feira (26) pela Polícia Federal.
Segundo a Polícia Federal, a nova etapa da operação investiga um consórcio de empresas que manipulava julgamentos dentro do Carf e negociava incentivos fiscais em medidas provisórias para favorecer empresas do setor automobilístico.

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, que tem o patrimônio estimado de R$ 5 bilhões, foi levado para depor na Polícia Federal de São Paulo. A Caoa é suspeita de participar do esquema de comprar uma medida provisória que o beneficiaria com incentivos fiscais.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal a Caoa teria participado com a empresa MMC de empreitada ilícita com o pagamento de propina pela aquisição da MP 471. A medida estendeu a vigência de incentivo fiscal às montadoras e fabricantes de veículos instalados nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Em nota, a Caoa afirma que Carlos Alberto de Oliveira Andrade prestou depoimento à Polícia Federal em São Paulo na condição de “testemunha-informante”. Ainda segundo a nota, a empresa “que jamais contratou qualquer pessoa física ou jurídica ou pagou qualquer importância para a aprovação de Medidas Provisórias, especialmente as de 471/2009 e 512/2010, que constituem objetos da investigação”. (Veja a nota na íntegra abaixo).

Nesta fase da operação, foram presos o lobista Alexandre Paes dos Santos, um dos mais conhecidos em Brasília, e o consultor José Ricardo da Silva, um dos conselheiros do Carf, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais. Além deles, também foi detido Mauro Marcondes Machado, vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A Polícia Federal também realizou busca e apreensão na empresa de Luis Claudio Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Lula.

A Polícia Federal estimativa que o esquema criminoso tenha desviado mais de R$ 19 bilhões. De acordo com comunicado da corporação, cerca de 100 policiais cumpriram 33 mandados judiciais, sendo seis de prisão preventiva, 18 de busca e apreensão e nove de condução coercitiva nos estados de São Paulo, Piauí e Maranhão e no Distrito Federal. A Operação Zelotes começou no dia 26 de março deste ano.

Portal Correio