Parlamentar destaca absolvição de ex-vereador de ação penal da Operação Confraria - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Parlamentar destaca absolvição de ex-vereador de ação penal da Operação Confraria

benilto lucena dois“A justiça foi feita”, declarou o vereador Edson Cruz (PP) sobre a absolvição do ex-vereador e ex- secretário municipal Potengi Holanda de Lucena, que foi considerado inocente em relação à ação penal da Operação Confraria, que investigou suposto esquema de desvio de verbas da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), no ano de 2005.

 

Edson Cruz destacou a integridade do ex-vereador em seu pronunciamento na sessão ordinária desta  quinta-feira (5), na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP). “Pontengi é um eterno vereador e uma pessoa por quem tenho a maior admiração. Um homem de bem e honrado que trabalhou por esta cidade, uma pessoa decente que passou por esta Casa como um vereador de mão cheia, um verdadeiro representante do povo”, avaliou.

 

O parlamentar comentou sobre o preconceito que Potengi Lucena sofreu mesmo antes de ser julgado. “Ele e sua família sofreram constrangimento, humilhação e perseguição. Gostaria de agradecer a Deus e tranquilizar a família do ex-vereador: ele foi injustiçado e agora foi absolvido. A imprensa deveria dar a mesma conotação de quando houve a denúncia, deveria mostrar com destaque o homem honrado que é Potengi Lucena”, declarou.

 

O presidente da CMJP, Durval Ferreira (PP), e os vereadores Lucas de Brito (DEM), Renato Martins (PSB), Marco Antônio (PPS) e Benilton Lucena (PT) se acostaram ao pronunciamento de Edson Cruz. “Ele foi um vereador de grande atuação e que lutava em prol da população de João Pessoa. Homem íntegro, correto, grande político de nossa Capital e que merece todo o nosso respeito”, declarou Durval Ferreira.

 

“Quero me somar a Vossa Excelência em favor de Potengi Lucena. Advogo na área criminal e percebo a execração pública antecipada por que passam alguns agentes políticos, quando não é aplicada a presunção de inocência e se é culpado antes mesmo de ser julgado. Isso revela o cuidado que se deve ter para não se condenar ninguém antecipadamente”, afirmou Lucas de Brito.

 

Clarisse Oliveira