Parlamentares do ninho tucano na Paraíba dizem que rejeição ao partido não é “exclusividade do PSDB”

Uma pesquisa encomendada pelo PSDB nacional mostrou que o partido vai precisar modificar sua estratégia para convencer a população de que tem opção de projeto para administrar o país no próximo ano. Entre os dados negativos, a rejeição a um candidato tucano para presidente e as menções negativas nas redes sociais. Para os integrantes da sigla na Paraíba, apesar de ruim, o resultado não é uma exclusividade do PSDB.

De acordo com a pesquisa, 75% dos brasileiros não acreditam que o próximo presidente possa pertencer aos quadros do partido, sendo que, no Nordeste, o índice sobe para 84%. Uma análise das interações nas redes sociais mostra que 98% das menções ao PSDB são negativas. Atualmente, o partido é o que mais perde engajamento em plataformas como o Facebook e o Twitter, tendo caído 44% no mês de outubro.

Para o senador Cássio Cunha Lima, o resultado reflete uma realidade que está presente em todos os partidos políticos do Brasil. “Este é um quadro que atinge todos os partidos, não é uma realidade exclusiva do PSDB”, disse o parlamentar.  “A pesquisa aborda a situação de declínio das legendas partidárias de forma geral. Todos os principais partidos do país estão desgastados”, acrescentou.

A opinião dele foi compartilhada pelo deputado estadual, Bruno Cunha Lima, para quem os dados preocupam. “Sabemos que todos os partidos, sem exceção, passam por uma crise, talvez das mais sérias da história do Brasil. Não é só o PSDB. Há partidos em que o caso é pior”, avaliou.

O parlamentar defendeu uma reformulação de práticas na legenda. “Temos uma sociedade que exige mudanças, mas temos políticos que insistem em fazer política da forma ultrapassada”, resumiu. Bruno Cunha Lima ainda afirma que é necessário que os partidos passem para a ação prática e, desse modo, voltar a conquistar a população. “A saída, não só para o PSDB, mas para os demais partidos, é fazer uma auto-crítica, mas sair da auto-análise para dar um passo além”

Num recorte só com simpatizantes do partido, o estudo apontou três pilares para a descrença na legenda: a aliança com Michel Temer, a permanência de Aécio Neves (MG) no PSDB e as intermináveis brigas internas.

Blog do Gordinho