Participação privada no FGTS permitiria redução da taxa de juros, diz economista

Participação privada no FGTS permitiria redução da taxa de juros, diz economista

Rodolfo Margato é economista do Departamento Econômico do Santander BrasilDivulgação/Santander

Para o economista Rodolfo Margato, 31 anos, do departamento econômico do banco Santander no Brasil, a entrada da iniciativa privada na gestão do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) possibilitaria “uma redução estrutural da taxa de juros do Brasil, beneficiando todos os participantes da sociedade tendo recursos no fundo ou não”.

“Na nossa percepção, há espaço para 1 debate adicional no sentido de 1 modelo mais competitivo permitindo a gestão dos recursos por outros instituições. Isso tenderia a aumentar a remuneração para o trabalhador, para as contas individuais do trabalhador assim como uma discussão mais profunda sobre a retirada do direcionamento dos recursos do FGTS”, afirmou em entrevista ao Poder360.

Ele nega, porém, tratar-se de uma proposta do banco. Margato aponta que estas seriam discussões interessantes já que o governo busca realizar mudanças estruturais no fundo.

Na avaliação do economista, as medidas relacionadas ao fundo –anunciadas pelo governo na semana passada– são bem-vindas, mas terão “impacto limitado” no consumo. “Somos 1 pouco céticos em relação à liberação dos saques das contas ativas e inativas do FGTS como 1 propulsor com impacto significativo sobre consumo e, consequentemente, sobre o PIB (Produto Interno Bruto) no curto e médio prazo”, disse.

Margato informa ainda que, para o banco, a medida deve impactar o PIB em 0,2 ponto percentual em 2019 e 0,2 em 2020. “Ou seja, há 1 impacto positivo, no entanto, não é isso na nossa percepção que vai alterar significativamente a tendência de crescimento do consumo privado do Brasil”, completou.

Leia trechos da entrevista:

Poder360: Nesta semana, o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) cortou a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, para 6% ao ano. Era o esperado? Projetam outros cortes até o fim do ano?
Rodolfo Margato:

O anúncio do Copom veio em linha com o esperado por nós. A nossa curva contempla 1 novo corte de 0,5 p.p. na próxima reunião em setembro e 1 corte derradeiro de 0,25 p.p. em outubro, ou seja, a Selic chegando a 5,25%. O que nos chamou a atenção no comunicado após decisão do comitê, foi uma menção num trecho bem claro de que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional ao grau de estímulo e isso, na nossa avaliação e acredito que pra boa parte do mercado, sinaliza que mais cortes da taxa Selic virão nos próximos meses.

Em relação à agenda de reformas, houve aprovação da Previdência no 1º turno na Câmara, mas ainda há muitas etapas de tramitação. Se houver algum percalço em relação a essas novas fases, pode haver alguma reversão desse corte ou deixariam de ser feitos novos cortes?

O avanço das reformas é crucial para continuidade desse ciclo de cortes de juros e isso ficou bem claro no comunicado pós-decisão, mas, no nosso cenário, há uma tranquilidade maior sobre a tramitação do texto no 2º turno da câmara e também nos 2 turnos do Senado.
Reconhecemos que pode haver desidratação no número de votos no 2º turno na Câmara, mas não impondo riscos sobre a aprovação desta medida. A discussão hoje é muito mais madura e houve 1 placar bem expressivo em 1º turno que, tradicionalmente, é o mais complexo.
Vale mencionar que, em termos de economia de despesas previdenciárias, acreditamos que há pouco espaço para diluição adicional de 1 texto entregando algo próximo a R$ 900 bilhões [em 10 anos].

Há poucas medidas que a equipe econômica pode adotar sem o aval do Congresso. Com essa escalada de declarações do presidente Bolsonaro, o andamento dessa agenda pode ser impactado?

Nosso foco de análise sempre é a política econômica e, na nossa avaliação, mesmo com eventuais incertezas do lado político, a agenda econômica segue avançando. A reforma da Previdência foi aprovada com placar expressivo em 1º turno, deve acontecer algo bem parecido no 2º turno e também no Senado e percebe-se na questão econômica o governo avançando com algumas medidas importantes: tivemos o anúncio do Novo Mercado de Gás, toda a agenda de privatizações, concessões, especialmente infraestrutura. Isso é claro com o poder Executivo, mas também com o Congresso que vem mostrando 1 comprometimento com esses avanços na agenda econômica.
Muitas vezes os efeitos dessas medidas serão sentidos lá pra frente, no entanto, avaliamos de forma positiva essa agenda de uma participação crescente do setor privado, de novos marcos regulatórios. Então, mesmo que com alguns ruídos, vemos a agenda econômica blindada e não esperamos nenhuma reversão nesse sentido.

A maioria das medidas econômicas terá 1 impacto prático no médio, longo prazo. O que pode afetar a economia agora nesse final de ano?

Economistas olham muito para confiança, a divulgação desses indicadores para termos esse pulso, esse termômetro da confiança do empresariado, do consumidor, gera uma expectativa. Nós compartilhamos dessa avaliação, de 1 desempenho mais favorável dos indicadores de confiança nos próximos meses refletindo avanços da agenda econômica.
Reconhecemos que as últimas leituras dos indicadores de confiança não foram necessariamente positivas, especialmente, olhando para o setor industrial. No entanto, daqui para frente, mantemos o cenário de uma retomada, ainda que gradual, desses indicadores e, consequentemente, de variáveis como produção industrial, vendas varejistas e mesmo alguns indicadores do mercado de trabalho.

Em relação à produção industrial, houve queda de 0,6%, mas chamamos a atenção de que boa parte dessa contração teve como fator gerador a extrativa mineral devido aos impactos ainda negativos da tragédia de Brumadinho, ocorrida no início deste ano.

Por outro lado, a indústria de transformação apresentou alguma recuperação. De novo, ainda uma recuperação moderada, mas 1 alento na nossa percepção no fechamento do 2º trimestre.
Ainda são alguns sinais incipientes, especialmente, da indústria. Há alguns movimentos erráticos quando olhamos os números mensalmente, mas percebemos já uma tendência 1 pouco mais favorável e, na nossa avaliação, isso se materializará nas leituras do 2º semestre.

Na próxima semana, teremos a divulgação das vendas varejistas, da pesquisa mensal de serviços e, especialmente no que diz respeito ao varejo ampliado, há uma expectativa de crescimento em junho e também no 2º trimestre. Enfim, após 1 longo período de queda ou de estagnação para setores, vemos no 2º semestre 1 cenário mais favorável de 1 crescimento ainda que moderado.

O nosso cenário para o PIB de 2019 é de 1 crescimento de 0,8% e para 2020 um crescimento de 2%. Sempre há essa ressalva de 1 ritmo gradual de crescimento, mas o consumo das famílias já há alguns trimestres vem contribuindo positivamente para 1 bom desempenho do PIB quando olhamos pela ótica da demanda.
Ou seja, mesmo considerando esse ritmo gradual, o cenário parece mais favorável pela melhora da confiança dos agentes, pela sinalização diretamente relacionada aos avanços na agenda de reformas.
Temos percebido também 1 ambiente mais favorável para avanços na agenda de infraestrutura e, consequentemente, 1 crescimento mais sólido da formação bruta de capital fixo dos investimentos da economia brasileira olhando para os próximos anos.

Poder360