João Pessoa 11/12/2018

Início » Política » Luciano Bivar quer retomar em novembro comando do PSL, partido de Bolsonaro

Luciano Bivar quer retomar em novembro comando do PSL, partido de Bolsonaro

O deputado Jair Bolsonaro e o presidente do PSL, Luciano Bivar, em janeiroDivulgação/Assessoria de Jair Bolsonaro 

O presidente nacional licenciado do PSL, Luciano Bivar, 73 anos, deve retornar oficialmente ao comando da sigla após o 2º turno das eleições para o Palácio do Planalto. É isso que Bivar combinou com Jair Bolsonaro.

Em entrevista ao Poder360 na última 6ª feira, Bivar disse que sua volta ao comando do PSL deve ser efetivada provavelmente no início de novembro. Enquanto isso ocupa o cargo interinamente o advogado Gustavo Bebianno, 54 anos, que é do Rio de Janeiro e de total confiança de Bolsonaro.

É muito comum no Brasil políticos de expressão receberem alguma garantia do partido que escolhem para disputar uma eleição. No final de 2017, Bolsonaro já despontava como nome forte na corrida pelo Planalto. Entrou para o PSL após ter segurança total de que poderia controlar a legenda até o final da disputa de 2018. Aí Bivar fez o gesto de se licenciar e entregar o controle a Bebianno.

O ato de Bivar foi unilateral. Ele pode agora, a qualquer tempo e época, encerrar sua licença e retomar o comando do PSL. “Eu não renunciei à presidência. Eu me licenciei apenas”, explica.

Segundo Bivar, a sua volta ao comando do PSL levaria o atual presidente interino da legenda a participar em algum cargo na futura administração federal, em caso de vitória de Bolsonaro: “O Bebianno deve ser, talvez, aproveitado no governo do Jair”. O cargo sempre citado para advogado é o de ministro da Justiça.

Partido Social Liberal foi fundado há 20 anos, em 2 de junho de 1998. Nunca teve grande expressão até ser anabolizado pela filiação de Bolsonaro. Elegeu 52 deputados federais e será a 2ª maior bancada da Câmara em 2019, apenas atrás do PT (que tem 56 cadeiras).

A 2ª colocação será efêmera. Luciano Bivar conta já ter sido procurado por 6 deputados de siglas que não cumpriram a cláusula de desempenho. Além dessa meia dúzia, outros virão imantados pela proximidade do poder. No início de 2019, o partido terá mais de 60 integrantes na Câmara: “Afirmo que a partir do dia 1º de janeiro nós seremos a maior bancada em número absoluto”.

Eleito deputado federal por Pernambuco, Bivar anuncia sua disposição de concorrer à presidência da Câmara. A disputa se dá logo depois de 1º de fevereiro de 2019, quando tomam posse as novas bancadas no Congresso. Segundo ele, como o PSL terá o maior número de cadeiras não deverá ceder o cargo aos partidos do Centrão ou outras legendas.

A decisão de Bivar pode se configurar em 1 problema. Os partidos que se juntaram durante as eleições no chamado Centrão (PP, DEM, PR, PRB e SD) querem o comando da Câmara. O atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é candidato à reeleição para o posto. O próprio Bolsonaro já declarou que, se eleito, considera plausível a entrega do comando da Câmara para 1 partido aliado.

Poder360 perguntou a Bivar: e se Bolsonaro for eleito presidente e precisar da vaga para fechar aliança com outros partidos?

Você não poderá convencer os partidários do PSL. Nós somos acima de tudo um partido. O Bolsonaro é nosso candidato a presidente, mas ele será o Poder Executivo […] O presidente da Câmara não é do Executivo”, argumenta.

Ele também tem opinião diferente da já expressada pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) –e pelo próprio Bolsonaro– de que a reforma da Previdência não deve ser votada neste ano de 2018.

Não cabe ao Onyx e nem ao Jair votar ou não, porque a Presidência da República ainda é do Michel Temer. E o presidente da Câmara é o Rodrigo Maia. Se eles entenderam que assim devem fazer, eles o farão. Independentemente do presidente eleito. Eu acho que o Brasil tem pressa. Eu acho bom, disse. Para o deputado eleito, se Temer iniciar a reforma agora, fica mais fácil complementar no primeiro momento do governo eleito”.

Ou seja, para Bivar seria positivo se a atual administração federal conseguisse que o Congresso já aprovasse alguma reforma da Previdência no que restar de 2018.

Que outras reformas deverão ser tocadas logo no início de um eventual governo Bolsonaro?

Melhorar a reforma trabalhista, fazer a reforma tributária. É imperioso isso. A tributária é fundamental porque sem uma reforma tributária você não dá efervescência à economia e a economia precisa voltar a funcionar com toda força para ter dinheiro para saúde, segurança, educação, tudo. A gente não pode pensar num governo sem ser um governo liberal, um governo socialista se acaba porque ele acha que o Estado pode servir tudo e o Estado não é 1 renovador de recursos e produção”, argumenta.

Isso tudo, naturalmente, se Bolsonaro vencer as eleições. Mas Bivar confia na grande vantagem de Bolsonaro sobre Fernando Haddad (PT) apontada pelas pesquisas –inclusive no DataPoder360, que mostra uma distância de 28 pontos entre os 2 candidatos. Ele acha que nada acontecerá para mudar esse quadro.

Luciano Bivar classifica como “desespero do PT” as acusações de uso de empresas para pagar pelo impulsionamento de mensagens pró-Bolsonaro no Whatsapp. Ele defende que o militar não participe de debates contra o candidato do PT:

O Haddad não é conhecido em lugar nenhum. Só aí no centro, na classe intelectual. Por que botar a cara dele lá em Cabrobró, no interior de Pernambuco, em canal aberto?

Poder360