Petrobras oferece risco para rating do Brasil, diz Moody's

Petrobras oferece risco para rating do Brasil, diz Moody’s

petrobras rebaixadaA agência de classificação de risco Moody’s publicou relatório em que afirma que companhias de petróleo nacionais com altos níveis de dívida e reduzida capacidade financeira impõem riscos para os ratings soberanos de seus países-sede. Entre essas companhias, a Moody’s destacou a Petrobras.

Segundo a agência, entre os países latino-americanos nos quais as companhias de petróleo nacionais apresentam o maior risco estão o Brasil, com a Petrobras, e o México, com a Pemex. A Moody’s destaca no relatório que tanto a Petrobras quanto a Pemex são “companhias integradas cujos ratings refletem um alto nível de suporte implícito dos respectivos governos”. Na avaliação da Moody’s, o Brasil recebe a nota de classificação de risco “Baa3”, apenas uma acima do nível considerado mais arriscado (“junk”) para os investidores na escala da agência.

“Três fatores principais podem prejudicar a capacidade de uma companhia de petróleo nacional pagar o serviço de suas dívidas e podem levar à materialização de obrigações contingentes para o soberano: choques no preço do petróleo, perdas graduais mas persistentes ou riscos de governança corporativa”, afirmou o vice-presidente e analista sênior da Moody’s, Jaime Reusche. “As companhias que impõem o maior risco têm uma combinação de robustez financeira relativamente baixa e níveis de dívida relativamente altos”, acrescentou.

O relatório também menciona a Petrotrin, de Trinidad & Tobago, e a PdVSA, da Venezuela. “Na América Latina, das oito companhias que acompanhamos, o maior aumento na dívida relativa ao tamanho da economia durante os últimos cinco anos ocorreu na PdVSA. Essa companhia em particular enfrenta riscos soberanos maiores entre todos os seus pares e tem o rating mais baixo”, afirmou Reusche.

A Moody’s citou ainda a KazMunayGas, do Casaquistão, e a Companhia Estatal de Petróleo da República do Azerbaijão.

(Com Estadão Conteúdo)