Petróleo e energia receberam 73% dos investimentos chineses na última década

Petróleo e energia receberam 73% dos investimentos chineses na última década

O navio sonda exploratória Stena DrillMAX, que operou para a Repsol Sinopec, tem capacidade para perfurar em profundidades de mais de 10 mil metrosMarcos Pinto/ Repsol Sinopec

A China concentrou, ao longo da última década, os investimentos no Brasil nas áreas de petróleo e energia elétrica. As operações nos setores somaram ao menos US$ 39 bilhões –o equivalente a 73% do total de aportes chineses no país.

No período, foram anunciadas 21 transações no setor energético.

Na área de petróleo, gás e derivados, foram 7 operações. Resultaram num total de US$ 20,2 bilhões em investimentos. No ramo de energia elétrica, 16 operações se tornaram conhecidas. Somaram US$ 19,6 bilhões.

As informações são de levantamento feito pela PwC a pedido do Poder360. Os dados mostram que, de 2009 a 2018, 78 transações de empresas chinesas foram anunciadas no Brasil. Dessas, 46 têm valor conhecido –representam, ao todo, US$ 54,7 bilhões.

No período, foram 41 aquisições, 30 compras, 6 joint ventures –associação entre duas ou mais empresas– e uma fusão.

Eis 1 resumo:

VISÃO A LONGO PRAZO

Rogério Gollo, sócio da PwC, explica que os chineses focam seus investimentos em áreas estratégicas para o país, como energia, infraestrutura e alimentos.

“Há preferência por energia, alimentos e no que possibilita o acesso a esses alimentos, ou seja, infraestrutura. Há 1 grande interesse do país por grãos, por isso, investem, por exemplo, em portos e ferrovias”, diz.

Para o coordenador de análise do CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China), Tulio Cariello, o interesse tem como pano de fundo a estratégia de garantir o abastecimento de commodities para a expansão da economia chinesa nos próximos anos.

“Somos grandes produtores de carnes bovinas, suínas e de frango, além de soja. Todo esse investimento em logística ajudará no escoamento da safra e no barateamento do custo no futuro. Garante abastecimento para sustentar o crescimento da China”, avalia.

Outros setores que se destacaram entre as operações foram os de minerais metálicos, com 4 projetos, e bancos de investimentos, com 2. Os 5 maiores bancos chineses operam em território brasileiro. Desses, 4 têm agências ou escritórios pequenos no Brasil.

Na avaliação de Daniel Lau, especialista em negócios com a China da KPMG, os chineses têm maior interesse por projetos greenfield, ou seja, os que ainda estão em fase de planejamento.

“O principal foco é a construção de novos portos, aeroportos e ferrovias. A operação dos projetos até pode atrair,  mas não é o carro-chefe“, afirma.

Lau avalia que os investimentos em infraestrutura ganham destaque pelo montante financeiro. Para ele, os chineses irão olhar para novas áreas nos próximos anos, como tecnologia e saneamento.

“Os investimentos na América Latina respondem, hoje, por apenas 4,5% do volume monetário que os chineses injetaram no mundo. A tendência é aumentar esse percentual. Existem 2 fundos financeiros para apoiar os projetos nessa região”, diz.

CENÁRIO ELEITORAL GEROU INSEGURANÇAS

Em 2018, os chineses investiram ao menos R$ 360 milhões em 7 projetos no Brasil –apenas 2 transações anunciadas têm montante conhecido. Os dados, preliminares, apontam para uma redução no ritmo dos anos anteriores.

Segundo Cariello, apesar da queda nos contratos firmados, o CEBC identificou 31 projetos em análise neste ano. Para ele, ainda há 1 alto interesse, mas as incertezas do cenário eleitoral “conturbado” enfraqueceram a confiança dos empresários.

“Tivemos a eleição de 1 partido que se propõe a ser o oposto do governo que tivemos por 13 anos. Vão acontecer mudanças e os investidores querem saber onde vão colocar dinheiro. Acredito que não seja do interesse de nenhum governo cortar relações com a China”, afirma.

Além da indefinição do período eleitoral, Gollo atribui a queda à redução de oportunidades de investimentos em 2018. Isso porque a expansão do investimento chinês também se deve a oferta de ativos baratos com potencial nos últimos anos.

“Houve 1 crescimento muito grande nos investimentos chineses no Brasil nos últimos anos pois surgiram oportunidades. Grandes empresas brasileiras tiveram problemas financeiros devido a mudanças na legislação de energia elétrica feita pelo governo Dilma Rousseff e também pela Lava Jato. Em 2018, houve muita incerteza política e econômica. Isso muda o ritmo de investimento”, afirma.

DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA MUNDIAL 

Depois do forte ritmo de crescimento nos últimos 2 anos, a expectativa é que a atividade econômica da China acompanhe o movimento de desaceleração da economia mundial no ano que vem.

“Toda desaceleração em grandes economias gera preocupação porque diminui a relação de comércio. Mas acho que ainda teremos oportunidades de investimento em 2019”, afirma Gollo.

Renato Ajimura, responsável pela área de multinacionais do Banco MUFG Brasil, afirma que, apesar das expectativas e do “compasso de espera” para os primeiros passos do próximo governo brasileiro, haverá interesse dos chineses em participar de leilões de privatizações e concessões.

Para 2019, já estão previstos leilões de aeroportos da Infraero, terminais portuários e da Ferrovia Norte-Sul.

“A demanda por investimentos e financiamentos no Brasil ainda é muito grande. A formação atual do governo é positiva, mas ainda falta uma sinalização concreta de que conseguirá reduzir parte do custo Brasil, com as reformas. Os ajustes internos vão possibilitar que os investidores tenham mais confiança”, diz.

Poder360