PF investiga superfaturamento em estádio da Odebrecht para a Copa.

arena pernambucoBRASÍLIA E SÃO PAULO – A Polícia Federal executa nesta sexta-feira a Operação ‘Fair Play’, que apura superfaturamentos na construção da Arena Pernambuco para a Copa do Mundo de 2014 pela Odebrecht. Estão sendo cumpridos 10 mandados de busca nas cidades de Recife, Salvador, São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Brasília. A PF vai investigar o superfaturamento estimado em R$ 42,825 milhões na construção.

Agentes da PF se encontram neste momento na sede do Comitê de Gestão de Parcerias Público-Privadas do governo de Pernambuco e também na sede da Odebrecht em São Paulo.

A Operação Fair Play teve como objetivo investigar fraude na concorrência internacional e apurar superfaturamento na execução do contrato entre o estado de Pernambuco e o grupo controlador da arena.
PF faz busca no prédio da Odebrecht, na Praia de Botafogo, para a Operação Lava-Jato no Rio de Janeiro. – Gabriel de Paiva / Agência O Globo
A nota oficial da Polícia Federal em Pernambuco diz que foi concedida pelo governo autorização para uma empresa elaborar o projeto básico do edital de concorrência, sem licitação ou edital de chamamento. As condições de concorrência teriam direcionado a contratação dessa empresa.

A apuração indicou atuação de uma organização criminosa voltada à corrupção de agentes públicos e envolve a obtenção, mediante fraude, de financiamento e à fraude em licitação.

EMPRESA DIZ QUE PROJETO ESTÁ REGULAR

Uma equipe de 13 homens da Polícia Federal cumpriu mandados de buscas e apreensão no escritório da Odebretch no Butantã, zona oeste de São Paulo. Eles chegaram ao prédio às 7h. De acordo com um advogado da empresa, a investigação é da Justiça de Pernambuco, e a PF faz também buscas nos outros estados.

De acordo com a defesa da Odebrecht, a PF já encerrou a parte da operação ‘Fair Play’ no escritório da empresa em São Paulo. Foram apreendidos documentos e emails. Segundo ele, a Justiça Federal em Pernambuco declinou da competência para a investigação da PF no estado, e o processo foi para a esfera estadual, que autorizou os mandados de busca e apreensão.

No Rio, duas viaturas da PF chegaram à sede da Odebrecht, na Praia de Botafogo, também por volta das 7h. Os policiais foram ao setor de informática para apreender servidores.
Em nota divulgada nesta sexta-feira, a Construtora Norberto Odebrecht cita os mandados de busca e apreensão “em sua sede no Rio de Janeiro, bem como nos escritórios de São Paulo, Salvador, Recife, Belo Horizonte e Brasília com o objetivo de coletar dados e informações relacionadas à Arena Pernambuco”.

“A empresa tem convicção da plena regularidade e legalidade do referido projeto. A CNO reafirma, a bem da transparência, que sempre esteve, assim como seus executivos, à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos e apresentar documentos sempre que necessário, sendo injustificáveis as medidas adotadas nesta data”, diz a nota.

Confira quais foram as empreiteiras responsáveis pelos estádios:

Maracanã (Rio de Janeiro)

Construtora: Consórcio Maracanã Rio 2014 (Odebrecht e Andrade Gutierrez)

Estádio Nacional Mané Garrincha (Brasília)

Construtora: Consórcio Andrade Gutierrez/Via Engenharia

Itaquerão (São Paulo)

Construtora: Odebrecht

Mineirão (Belo Horizonte)

Construtora: Consórcio Nova Arena (Construcap, Egesa e Hap)

Castelão (Fortaleza)

Consórcio Galvão Engenharia/Andrade Mendonça

Fonte Nova (Salvador)

Construtora: Consórcio OAS/Odebrech

Arena Pernambuco (Recife)

Construtora Odebrecht

Beira-Rio (Porto Alegre)

Construtora: Andrade Gutierrez

Arena das Dunas (Natal)

Construtora: OAS

Arena Amazônia (Manaus)

Construtora: Andrade Gutierrez

Arena Pantanal (Cuiabá)

Consórcio Santa Bárbara/Mendes Júnior

Arena da Baixada (Curitiba)

Gestora da obra: Engevix
O Globo