João Pessoa 11/12/2018

Início » Destaque » Piscina do tráfico tem funk e página na web; conheça

Piscina do tráfico tem funk e página na web; conheça

Uma piscina construída de forma irregular por traficantes há quatro anos na Praça Cotigi, um dos acessos ao Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, continua em pleno funcionamento, sem interferências da Prefeitura do Rio. A área de lazer passou a atrair tantos frequentadores que ganhou uma página numa rede social e um funk em sua homenagem, que a chama de “piscina do momento’’.

E não é só. A piscina também recebeu melhorias, sendo ladrilhada. A construção foi denunciada pelo EXTRA em dezembro de 2014, ocasião em que a Polícia Civil passou a apurar o envolvimento do tráfico com as obras. A prefeitura foi notificada pela polícia sobre a piscina numa área pública e o próprio órgão confirmou se tratar de uma obra irregular. Mas nenhuma providência foi tomada pela administração municipal.

No Juramento, a piscina virou o “point’’ da comunidade. Nas redes sociais, banhistas postam fotos no local. “Piscina do Juramento está cheiona”, escreveu um internauta, na última quinta-feira. Uma das imagens, que circula em redes sociais, mostra dois homens armados com fuzis na beira da piscina.

Piscina ganhou melhorias e continua sendo área de lazer da favela
Piscina ganhou melhorias e continua sendo área de lazer da favela Foto: Reprodução Facebook

Um inquérito da 27ª DP (Vicente de Carvalho) concluiu que o então chefe do tráfico no Juramento, Flávio Silva Mendonça, ex-membro do Comando Vermelho, morto em uma operação policial, foi o responsável pela obra da área de lazer. A polícia descobriu que era cobrada uma taxa mensal de R$ 10 dos moradores para a manutenção da piscina, abastecida com 130 mil litros por um gato de água na tubulação do morro.

Após a morte de Flávio, no início de 2015, a facção Amigos dos Amigos (ADA) assumiu o controle do Juramento. Em novembro do ano passado, houve uma nova guerra na comunidade, e o Comando Vermelho voltou a dominar a favela.

O EXTRA procurou a prefeitura, mas a assessoria de imprensa do órgão não respondeu até o fechamento desta reportagem.

Extra