Polêmica das idosas que querem proibir deficientes na praia repercute na mídia nacional

A polêmica envolvendo um grupo de idosas que procurou a vereadora Helena Holanda (PP) para pedir a proibição das atividades com um grupo de pessoas com deficiência na praia de Cabo Branco repercutiu na imprensa nacional. O portal UOL publicou sobre o caso na quinta-feira (22).

O caso está tomando maiores proporções, e já gerou um abraço solidário durante a próxima atividade do projeto Acesso Cidadão – que levo as pessoas com deficiência para transitar na praia e entrar no mar – que deve acontecer neste sábado (24), na orla da capital. Além disso, a deputada estadual Cida Ramos (PSB) deve acionar a Justiça para atuar no caso.

Confira matéria na íntegra

Um grupo de moradoras de João Pessoa (PB) procurou uma vereadora na Câmara Municipal da cidade pedindo a proibição das atividades de um outro grupo, esse de pessoas com deficiência, na praia de Cabo Branco, onde moram. A reclamação das mulheres foi denunciada pela vereadora Helena Holanda (Progressistas) no plenário da Câmara. Helena é defensora de causas de minorias e uma das idealizadoras do projeto.

Segundo a vereadora, o grupo de mulheres (em sua maioria, idosas) foi até a Câmara pedir a suspensão do projeto Acesso Cidadão, criado em 2012 pela Prefeitura Municipal de João Pessoa e apoio de outras entidades. O projeto leva à praia pessoas com os mais variados tipos de deficiência. Desde que foi iniciado, o projeto possibilitou que muitas das pessoas atendidas pudessem ver o mar pela primeira vez.

O desejo das moradores, segundo Helena, era que o projeto deixasse de ser realizado na praia do Cabo Branco. Nas palavras das mulheres que criticaram o projeto, conforme a vereadora explicou, as atividades estavam “incomodando e tirando a beleza natural do lugar, onde moram pessoas ilustres”. O grupo sugeriu também a colocação de um cercado para delimitar o espaço das atividades. Elas estariam incomodadas com o barulho e a presença das pessoas.

As declarações causaram polêmica na cidade. No próximo sábado (24) está marcado um ato simbólico de apoio ao projeto. Os organizadores do ato informaram que a iniciativa tem o objetivo de repudiar o grupo de moradoras “que são contra um projeto tão legal”. A vereadora disse que, além de não atender ao pedido, pretende ampliar o projeto. O grupo de moradoras não foi identificado.

Em nota, a Prefeitura de João Pessoa informou que o programa Acesso Cidadão continuará a ser executado, atendendo cerca de 100 pessoas com deficiência e necessidades especiais, promovendo atividades esportivas e de lazer, aos sábados, na praia. “O Acesso Cidadão promove momentos de inclusão para aquelas pessoas que, por vezes, não podem entrar no mar por conta de uma limitação física, e, aos sábados, elas também entram em contato com outras pessoas que vêm aproveitar a praia e as belezas da nossa cidade. Vamos continuar o trabalho e reforçar ainda mais o acesso a quem mais precisa”, destacou a nota.

ParaíbaJá