Um inquérito policial está investigando um suposto “Esquema do Seguro Dpvat”

Polícia Civil investiga envolvimento de médicos em máfia do ‘DPVAT’

policial civil 1Um inquérito policial está investigando um suposto “Esquema do Seguro Dpvat” que estaria ocorrendo no Hospital Regional de Sousa (HRS). A investigação policial icomeçou no ano passado. Funcionários do Hospital, representantes de seguradoras e até mesmo médicos estariam envolvidos no crime.

Segundo a Polícia Civil, várias pessoas estão sendo investigadas e o esquema é praticado desde o atendimento no local do acidente até o laudo pericial feito pelo médico indicado pela seguradora Dpvat.

A polícia informou ainda que os casos ocorridos no hospital são apenas umas das etapas da cadeia criminosa. Os pacientes eram abordados pelas seguradoras que pegavam a ficha do acidentado para dar entrada ao processo de Dpvat. O médico contratado pela seguradora realizava a perícia, para que o acidentado receba o pagamento de indenização.

Falsa vítima

O delegado Francisco Abrantes, que é o responsável pela investigação, revelou que existem casos de pessoas que não se acidentaram no trânsito, mas para receberem o seguro, dizem que foram vítimas de acidente. “Estamos investigando e uma vez que comprovarmos que as falsas vítimas estão envolvidas nesse esquema, elas terão que devolver o dinheiro e vão responder criminalmente por uso de documento falso e estelionato”, disse.

De acordo com o diretor do Samu Regional de Sousa, Augusto Braga, ultimamente algumas pessoas vítimas de acidentes suspeitos acionam o Samu com o objetivo apenas de conseguir o Dpvat. “Algumas vezes, o Samu vai ao local e o próprio acidentado fala que quer a ficha para dar entrada no Dpvat, ou seja, é praticamente um acidente intencional”, disse.

Funcionários demitidos​

De acordo com o assessor de comunicação do HRS, Alex Alves, a diretoria já demitiu os funcionários envolvidos no esquema com as seguradoras. “Dois funcionários envolvidos com esse esquema estão sendo investigados. Um foi demitido e outro foi suspenso. Vamos deixar que a polícia puna os verdadeiros culpados”, disse Alex Alves.

MaisPB com Diário do Sertão