Polícia faz operação para prender torcedores envolvidos em crimes

Polícia faz operação para prender torcedores envolvidos em crimes

operacao-corinthiansA Polícia Civil de São Paulo deflagrou na manhã desta sexta-feira (15) a “Operação Cartão Vermelho” para combater torcedores de futebol envolvidos em diversos crimes, como brigas e agressões, no estado de São Paulo. De acordo com o Bom Dia São Paulo, são mais de 50 mandados sendo cumpridos, entre prisões, buscas e apreensões em torcidas organizadas na capital, Grande São Paulo e Interior e litoral.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), são 37 mandados de prisão contra torcedores violentos e 31 mandados de busca e apreensão nas sedes das torcidas. Gaviões da Fiel e Pavilhão Nove, ligadas ao Corinthians, e Mancha Alviverde, do Palmeiras, são algumas das organizadas alvos da operação.

Segundo o SPTV, as 37 pessoas já foram detidas por suspeita de participarem de crimes, como agressões. Entre os detidos pela polícia está o corintiano Helder Alves Martins.

Helder também já havia sido detido anteriormente por suspeita de participação namorte do boliviano Kevin Spada, em 2013. Na época, o corintiano tinha 17 anos e foi acusado de atirar o rojão que matou Kevin na Bolívia, durante um jogo com o Corinthians.

Os presos serão encaminhados ao Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), no centro da capital paulista. Mais de 200 policiais civis e 100 viaturas participam da ação em São Paulo,Guarulhos, região de Campinas, Santos e outros municípios da região metropolitana.

A pedido do secretário da SSP, Alexandre de Moraes, a Secretaria da Fazenda está auxiliando a operação com equipes de fiscalização contábil nas sedes das torcidas.

No total, foram registrados quatro confrontos entre torcedores e mais de 60 pessoas foram detidas no dia 3 de abril (leia mais sobre o caso abaixo).

Policiais chegam à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Centro de São Paulo, com material apreendido com palmeirenses. A Polícia Civil cumpre mandados de prisão contra integrantes das torcidas organizadas Mancha Verde e Gaviões da Fiel (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)

Policiais chegam à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Centro de São Paulo, com material apreendido com palmeirenses. A Polícia Civil cumpre mandados de prisão contra integrantes das torcidas organizadas Mancha Alviverde e Gaviões da Fiel (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo).

1ª briga: morto na Zona Leste

Segundo a SSP, a vítima morta no dia 3 de abril chama-se José Sinval Batista de Carvalho, tinha 53 anos, e havia nascido na cidade de Paripiranga, na Bahia. O crime ocorreu no primeiro domingo de abril, quando cerca de 50 torcedores do Corinthians e do Palmeiras se encontraram em frente à estação São Miguel Paulista da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra.

Durante a confusão, houve um disparo de arma de fogo, que atingiu Carvalho no coração. A vítima não resistiu aos ferimentos. Segundo a polícia, o homem passava pela região e não fazia parte de nenhuma torcida.

Segundo informações de testemunhas, o homem estava indo para a igreja quando foi atingido. A vítima estava sem documentos. Ainda não foi identificado o responsável pelo disparo. Três suspeitos chegaram a ser detidos, mas depois foram liberados à época.

Foram apreendidas barras de ferro e pedaços de madeira. O caso foi registrado no 63º DP, da Vila Jacuí, mas é investigado pelo DHPP.

Corintiano é levado preso em operação policial em São Paulo. A Polícia Civil cumpre mandados de prisão contra integrantes das torcidas organizadas Mancha Alviverde, do Palmeiras, e Gaviões da Fiel, do Corinthians (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)

O secretário da SSP, Alexandre de Moraes, chegou a afirmar que 43 torcedores envolvidos naconfusão entre as torcidas já foram identificados. Em entrevista para a TV TEM durante visita a Cerquilho (SP) nesta quinta-feira (7), ele ressaltou que os torcedores serão encaminhados para a Federação Paulista para que sejam banidos dos estádios.

“Vamos também encaminhar para o Ministério Público e ao Poder Judiciário para medidas penais. Mas não basta somente identificar e punir. Nós vamos identificar aqueles que lideram esses 43”, disse. “A legislação penal no Brasil é fraca, pois o artigo específico do estatuto do torcedor é brando. Temos uma legislação fraca, mas podemos trabalhar com o que existe.”

G1