Polícia Federal prende dez suspeitos de preparem atos terroristas durante Olimpíada do Rio.

Polícia Federal prende dez suspeitos de preparem atos terroristas durante Olimpíada do Rio.

ministro justiça 123O ministro da Justiça Alexandre de Moraes

RIO – Dez suspeitos de preparem atos terroristas durante a Olimpíada foram presos, nesta quinta-feira, pela Polícia Federal. A prisão foi a primeira com base na lei antiterror, segundo o colunista do GLOBO, Lauro Jardim. O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, vai detalhar a prisão ainda nesta quinta-feira, em entrevista coletiva. As prisões foram feitas em São Paulo e no Paraná. O grupo foi recrutado pelo Estado Islâmico pela internet. Um menor foi apreendido na operação.
De acordo com a revista “Época”, os suspeitos seguiam o mesmo roteiro dos terroristas envolvidos nos atentados em Orlando, nos Estados Unidos, e de Paris, na França. Eles foram recrutados pela internet e juraram lealdade ao Estado Islâmico, enquanto discutiam os possíveis alvos no Rio. Com autorização judicial, a Polícia Federal monitorou mensagens trocadas pelo grupo nas redes sociais, sobretudo Facebook e Twitter.

Nas mensagens, a PF descobriu que, além do plano para fazer um atentado terrorista na Olimpíada, eles relatavam compras de armamento, informou a “Época”.

O perfil dos alvos, segundo investigadores, encaixa-se no grupo que é hoje considerado o de maior risco entre os brasileiros investigados. São recém convertidos ao islamismo, que se frustraram com o tom pacifista das mesquitas brasileiras e buscaram na internet o radicalismo propagandeado pelo Estado Islâmico. A inteligência brasileira trabalha com 50 alvos. Todos os presos pela PF estavam nesta lista.

O temor por atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos está mobilizando o governo brasileiro e os de vários países que participarão da Olimpíada. Nesta terça-feira, o governo francês desmentiu que houvesse o planejamento de um ataque terrorista à delegação olímpica do seu país, que teria a participação de um brasileiro supostamente ligado ao Estado Islâmico. Segundo a França, a informação é falsa. Ela foi publicada no site da Assembleia Nacional francesa, sendo depois divulgada pelo jornal “Libération”, na quarta-feira da semana passada. O desmentido foi enviado ao Ministério da Defesa brasileiro pelo diretor de Inteligência Militar da França. No documento, ele afirma que a conclusão vem de um trabalho conjunto feito por órgãos de inteligência de vários países, incluindo o Brasil.

Na última quarta-feira, o governo da França solicitou ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil que reforce a segurança de escolas e consulados franceses. O pedido foi enviado pelo Itamaraty a 19 secretarias estaduais de Segurança, que determinarão como se dará o reforço.

Nesta segunda-feira, os aeroportos começaram a utilizar as novas regras da Agência Nacional de Aviação (Anac) para inspeção de passageiros e bagagens de mão em voos domésticos.

O Globo