Polícia indonésia confirma sete mortos em ataques atribuídos a grupo ligado ao EI

jacarta bombaOperação da polícia indonésia no centro da capital, Jacarta.REUTERS/Darren Whiteside

Os ataques seguidos de intenso tiroteio no centro de Jacarta na manhã desta quinta-feira (14) deixaram pelo menos sete mortos: dois civis, entre eles um holandês, e os cinco “terroristas”, segundo a polícia local. Autoridades anunciaram o final das operações e garantiram que a região onde acontecerem os ataques está “sob controle”.

A polícia nacional também informou que cinco policiais e cinco civis, entre eles um estrangeiro, ficaram feridos. A embaixada da Holanda confirmou apenas que um de seus cidadãos no país tinha ficado ferido e se encontrava hospitalizado.

Um grupo ligado à organização terrorista Estado Islâmico (EI) é suspeito de ser o responsável pelos atentados. “Há forte suspeita de que seja um ato de um grupo na Indonésia ligado ao EI. Pelo que vimos hoje, este grupo segue o exemplo dos atentados de Paris”, declarou Anton Charliyan, porta-voz da polícia nacional.

Pelo menos dois kamikazes teriam acionado seus explosivos no bairro central de Jacarta onde estão várias sedes da ONU e embaixadas.

A televisão indonésia informou que houve um total de seis explosões e entre 10 e 14 homens armados participaram das ações. O presidente indonésio, Joko Widodo, qualificou os ataques de “ações terroristas”.

A correspondente da RFI em Jacarta, Jeanne Lefèvre, relatou ter ouvido “uma forte explosão por voltas das 11hs, horário local, como um imenso trovão. Na sequência houve três pequenas detonações”.

Inicialmente a polícia havia informado ataques com bombas, mas depois deu outros detalhes dos ataques. Um porta-voz da polícia disse, citando testemunhas, que um artefato foi lançado e poderia ser uma bomba ou uma granada.

Noticiário Internacional