Polícia prende foragido da Cadeia Pública de Cruz do Espírito Santo e suspeito de tentativa de homicídio

A segunda prisão ocorreu na comunidade Balcão, no bairro de Mangabeira, onde foi cumprido mandado de prisão preventiva expedido pela 2ª Vara Criminal de João Pessoa contra Ton Clayton. (Foto: Divulgação/Polícia Civil PB)

Um suspeito de tentativa de homicídio e um foragido da Cadeia Pública de Cruz do Espírito Santo foram presos pela Polícia Civil em João Pessoa, na manhã desta quarta-feira (23). A ação foi executada sob o comando do delegado Carlos Othon, após trabalho investigativo desenvolvido pela Delegacia de Crimes Contra a Pessoa – DCCPES (Homicídios).

Segundo o delegado Carlos Othon, a primeira prisão aconteceu no bairro do Geisel, onde foi cumprido mandado expedido pela 1ª Vara do Júri de João Pessoa contra Jerbeson Cruz de Menezes, conhecido como Gerbinho. Ele é acusado do crime de tentativa de homicídio contra Allan Roosevelt Mendes Mendonça, em 25 de abril de 2014, na Capital.

“A investigação concluiu que Gerbinho efetuou vários disparos de arma de fogo contra a vítima, que foi atingida nas costas. A motivação do crime está relacionada com uma vingança, tendo em vista que Allan teria tentado contra a vida de Gerbinho em outra ocasião”, esclareceu o delegado.

A segunda prisão ocorreu na comunidade Balcão, no bairro de Mangabeira, onde foi cumprido mandado de prisão preventiva expedido pela 2ª Vara Criminal de João Pessoa contra Ton Clayton da Silva Batista, conhecido como Sapé ou Geone. Ele é apontado pela prática do crime de roubo majorado, conforme Art. 157, parágrafo. 2º, incisos  I e II, do Código Penal Brasileiro.

“Sapé, como é conhecido no mundo do crime, além do mandado de prisão por roubo, era foragido da Cadeia Pública de Cruz do Espírito Santo/PB. Vale ressaltar que o preso a todo instante mentiu sobre sua verdadeira identidade, mas os Agentes de Investigação desconfiaram da sua conduta e conseguiram identificá-lo. Ambas as prisões foram realizadas pela equipe do Cartório 03 da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa da Capital”, finalizou o delegado Carlos Othon.

ClickPB