Policiais que faziam escolta de carga de urânio trocam tiros com suspeitos em Angra

Rio – Um comboio que levava um carregamento de urânio para abastecer Angra 2, usina nuclear de Angra dos Reis, na Costa Verde, ficou em meio ao fogo cruzado, no início da tarde desta terça-feira. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), durante a missão de escolta de produto perigoso suspeitos armados atiraram contra os agentes e houve confronto, na altura da comunidade do Frade.

Ainda segundo a PRF, ninguém foi preso ou ferido na ação. Durante a troca de tiros, que aconteceu quando o trânsito de veículos foi parado para a passagem do comboio, os criminosos deixaram cair um carregador de pistola com 12 munições calibre 9mm, que será encaminhado pela equipe para polícia judiciária.

Em nota, a Eletronuclear informou que o comboio de transporte de combustível nuclear que seguia em direção a Angra dos Reis não foi atacado por bandidos e o carregamento chegou à central nuclear dentro do horário previsto, às 12h23.

Ainda de acordo com a nota, para ser transportado de Resende, no Sul Fluminense, onde é fabricado pelas Indústrias Nucleares do Brasil (INB), a Angra dos Reis, o combustível nuclear é acondicionado dentro de contêineres metálicos especialmente fabricados para essa tarefa. Esses invólucros passam por testes de resistência contra quedas e incêndios.

“Se um tiro de arma de fogo conseguisse atravessar a proteção do contêiner, poderia danificar o combustível nuclear. No entanto, isso não colocaria em risco a população nem o meio ambiente. O urânio contido em um elemento combustível está em estado natural, tendo o mesmo nível de radioatividade encontrado na natureza”, finalizou a Eletronuclear.

O Dia