Por caos na coleta de lixo em Sta. Rita, Jeová pede renuncia de Netinho; ‘problema jurídico’, diz gestão

caos lixo 11O deputado estadual e presidente da comissão de Desenvolvimento e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, Jeová Campos (PSB), denunciou a falta de coleta de lixo na cidade de Santa Rita, além da utilização de um manancial como depósito. Já a prefeitura da cidade, rebateu através do secretário ajunto de Comunicação, Germano Costa, que afirmou que o problema deverá ser resolvido em até 15 dias e denunciou problemas gerados pela Cagepa e também pela prefeitura de Bayeux.

A Comissão é formada ainda pelos deputados João Bosco Carneiro (PSL), Ricardo Barbosa (PSB) e Zé Paulo (PSB).

“Foi uma inspeção técnica, mas sem exagero, fazia tempo que não via algo tão grave”, disse, acrescentando que o Manancial do Rio Tibirizinho virou um depósito de lixo da cidade. “O prefeito em vez de colocar no aterro sanitário, coloca dentro do rio. Lixo comum em frente ao posto de saúde, nas ruas. Isso exige uma tomada de atitude das autoridades, do judiciário, crianças brincando no lixo, ontem (24) foi um dia de chuva e as crianças se lambuzando na água que descia por baixo do lixo, é desumano e cruel. Estou triste com o que aconteceu na cidade”, disse.

Para Jeová, o prefeito deveria pedir uma licença e ir “cuidar da vida dele”, pois “não está cuidando da cidade, mas massacrando o povo”. O deputado afirmou que não está entrando na questão política, mas sim, técnica e administrativa, afirmando que no ano passado Santa Rita mandava seis toneladas de lixo por dia para o aterro e agora mesmo com aumento da população, está enviado só metade. “O prefeito deveria ter a dignidade como pessoa humana de renunciar ao cargo”, disse.

Já o secretário adjunto de Comunicação, Germano Costa, afirmou que esta é uma questão complexa e não se criou da noite para o dia, mas prometeu que o problema será resolvido dentro de 15 dias. Ele ainda atacou a comissão por se limitar a questão do lixo e esquecer do esgoto que passa por dentro da cidade e ‘mata’ o Rio Preto.

“O problema do lixo vem se arrastando por conta de um embate jurídico proposto pela empresa de coleta. Quando Netinho [o prefeito] voltou dias depois de ter reassumido a empresa pediu na justiça a prorrogação do contrato licitatório de 2013, além de bloqueios de repasse. Foi negado pelo juiz Gustavo Procópio na sentença expedida semana passada e agora a gestão municipal pode livre do embate jurídico tomar as devidas providências”, disse.

Costa lembrou ainda que o prefeito já decretou estado de calamidade e está em conversações para a coleta ser feita pela própria prefeitura. “Não haverá mais terceirização”, comentou, revelando também que a gestão já contratou caminhões captadores, caçambas, retro escavadeiras e agentes de limpeza. De acordo com o secretário, as equipes pediram entre 10 e 15 dias para a cidade estar limpa.

“O deputado tenta se eximir da questão política, com um discurso técnico, mas quem em sã consciência autoriza o despejo de dejetos à beira e um manancial?”, questionou alegando ainda que há fotos de um caminhão do município vizinho de Bayeux. “Temos a placa e o nome do motorista, a defesa está aguardando o relatório [da comissão] ficar pronto”, afirmou.

Costa ainda pediu que a comissão visite o canal que corta o centro de Santa Rita e despeja dejetos da cidade no Rio Preto. “A Cagepa deveria vir fazer uma inspeção”, alertou além de denunciar que o próprio deputado membro da comissão, Zé Paulo, matou um bioma quando aterrou um alagado para a construção de um posto de gasolina na cidade.

Santa RitaemFoco