Por que só se pode amar ou odiar Bolsonaro?, pergunta Mario Rosa

Por que só se pode amar ou odiar Bolsonaro?, pergunta Mario Rosa

Poder Ideias – Almoço com o pré -candiadato a Presidência da República, Dep. Jair Bolsonaro, no rastuatente Piantella. Brasília, 08-05-2108. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) lidera pesquisa em cenários sem Lula

Eu sou um caso sem cura. Eu não amo nem odeio Jair Messias Bolsonaro. Eu apenas o admiro. Eu apenas acho que ele tem todas as condições de ser presidente da República Federativa do Brasil.

Se Dilma teve, o que falta em Bolsonaro que transbordava tanto na ex-presidente? Mas eu não consigo pertencer a nenhuma das claques. Não sou daqueles que lotam aeroportos e gritam “mito” e muito menos dos que se contorcem apenas ao ouvir a primeira sílaba do nome do ex-capitão. Eu apenas admiro Bolsonaro.

Admiro, primeiro, pelo mesmo motivo que admiro todos os demais candidatos presidenciais: é realmente notável a trajetória de qualquer indivíduo que chegue ao ponto de participar como postulante à maior magistratura de uma nação.

Eu admiro Bolsonaro também porque ele possui todos os tons de um fenômeno político. É incrível como, enquanto seus adversários fazem uma maratona para dizer o óbvio, ele pega o atalho e fala na veia como se seus neurônios estivessem conectados com o jeito popular. Eles são antípodas, mas eu já vi momentos do mais puro Lula em algumas tiradas do Bolso.

Eu admiro Bolsonaro porque ele é o único candidato que parece não ler um teleprompter (colunistas somos obrigados a fazer parênteses para explicar termos complicados: teleprompter é um aparelho em que os políticos leem um texto dos marqueteiros nas gravações da propaganda política). Pois Bolsonaro é uma ilha de naturalidade em meio ao lugar comum das frases feitas e calculadas dos oponentes. Choca às vezes? Sim. Extrapola? Hum, hum. Mas pelo menos não parece um boneco de ventríloquo.

Eu admiro Bolsonaro porque ele tem uma vida limpa. Pode até ter uma boca suja, mas as mãos não estão manchadas. E quem disse isso foi o cardeal do mensalão, o implacável ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, que elogiou Bolsonaro. Quem disse isso foi o cardeal do Petrolão, o implacável ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que também o elogiou. Um probleminha aqui ou ali, uma polêmica acolá, ok, Bolsonaro não é santo. Mas demonizá-lo moralmente…taí uma surpresa se conseguirem.

Eu admiro Bolsonaro porque ele já apontou com muita clareza que direção pretende imprimir à economia. Se mudar depois, dai eu passo a não admirar. Mas até o momento ele parece que vai seguir a velha cartilha da caserna: economia na mão dos melhores quadros.

Bem, daí caçoam dele quando falam que ele vai botar um astronauta na ciência e tecnologia e até, quem sabe, uma alteza real no Itamarati. Mas não foi assim nos governos militares? Uma área econômica de primeira e um amontoado de nulidades no resto da esplanada dos ministérios? A rigor, no regime civil não houve também uma proliferação de nulidades ministeriais?

Acho que sou mesmo um caso perdido. Sinto uma pontinha de inveja, confesso, dos descolados que odeiam Bolsonaro do fundo do coração. Eu não consigo. Não consigo amá-lo, é verdade. Mas eu o admiro. Fazer o que? Desculpem-me. Nesta eleição do ódio, acho que não estou devidamente preparado. Estou com o coração mole. Se me lincharem por aí, quem sabe eu aprendo?

Poder360