Posição partidária define como as pessoas avaliam a mídia, diz pesquisa

52% dos norte-americanos acham que as organizações de notícias são parciais ao tratar de política
Os leitores entrevistados dizem que o que querem das organizações de notícias e o que sentem que recebem continuam sendo incompatíveis.

Pessoas de 38 países diferentes disseram que querem uma mídia que cubra assuntos políticos sem que um ou outro partido seja favorecido, de acordo com um estudo global da Pew Research publicado nesta 5ª feira (11.jan.2018). Em muitos desses países analisados pela Pew, as opiniões partidárias sobre o que seria uma cobertura justa de assuntos políticos é determinante para a atitude das pessoas em relação à mídia.

Dentre os 4 problemas pesquisados, as avaliações são as mais negativas quando a pergunta é se as agências de notícias estão fazendo um bom trabalho ao tratar das diferentes posições em questões políticas. Mundialmente, só 52% das pessoas acham que a mídia está indo bem nessa questão.

Regionalmente, menos da metade aprovam a mídia no Oriente Médio (46%), Europa (45%), e América Latina (42%). Mesmo assim, a maioria nas regiões da África subsariana (69%) e Ásia-Pacífico (65%) aplaudem a performance do seu jornalismo local […].

A orientação política de um indivíduo tende a ser um dos fatores mais influentes em suas opiniões sobre a mídia. Mais do que idade, nível de educação ou gênero.

Nos EUA, 52% disseram que acham que as organizações de notícias não fazem um bom trabalho ao relatar assuntos políticos de forma justa. Entretanto, os EUA não obtiveram os níveis mais altos de insatisfação entre os países estudados pela Pew. Na Grécia, o percentual chega a 80%; na Coréia do Sul, 72%. Nesses 2 países, a insatisfação com a mídia está constantemente em alta. A Grécia e Coréia do Sul foram os únicos dois países no relatório da Pew em que a maioria das pessoas não acham que as agências conseguem fazer a cobertura de notícias importantes (Grécia com 57%, Coréia do Sul com 55%).

Mas quando o assunto é partidarismo, os EUA tomam a frente. Nos EUA e em Israel as pessoas que apoiam o partido governante têm mais chances de estarem insatisfeitas com a mídia:

A brecha é de maior escala nos EUA, onde 24% dos republicanos são consumidores satisfeitos, em comparação com 58% das pessoas que não se identificam com o partido republicano. Uma diferença de 24 pontos.

The Fake News Awards, those going to the most corrupt & biased of the Mainstream Media, will be presented to the losers on Wednesday, January 17th, rather than this coming Monday. The interest in, and importance of, these awards is far greater than anyone could have anticipated!

O oposto ocorre em outros países que a Pew estudou. Na Hungria, por exemplo, apoiadores do partido governante Democrático Cristão do Povo têm 20% mais chances de estarem satisfeitos com a cobertura de notícias do que os não apoiadores.

Dentre as pessoas analisadas pela Pew, aquelas que disseram que era “totalmente inaceitável” a mídia favorecer um partido político tinham mais chances de dizer que a mídia em seus países não estava relatando a política de forma justa, comparado àqueles que disseram que era “um tanto aceitável” a mídia ter favoritismo político. Novamente, os EUA têm a maior separação entre esses dois grupos (57% daqueles que são mais teimosos sobre a questão do partidarismo da mídia estão infelizes com a sua performance, comparado aos 31% daqueles que pensam que este favoritismo partidário é “um tanto aceitável“):

Essa enorme divisão partidária alinha-se inteiramente com outro relatório da Pew do ano passado, que concluiu que 89% dos democratas disseram que o papel de jornalistas de ficar de olho em oficiais do governo era crucial, mas somente 42% dos republicanos achavam o mesmo. Era a maior separação partidárias desde que a Pew começou a fazer a mesma pergunta ao público em 1985.

Além de todo esse partidarismo e preocupação, o relatório da Pew encontrou outras tendências notáveis em relação ao consumo de notícias ao redor do mundo:

  • As pessoas estão mais interessadas em notícias nacionais e locais do que em notícias que não são sobre seus países. E parece que as pessoas de fora dos EUA não estão tão interessadas em notícias sobre os EUA.

  • O costume de usar as redes sociais para acessar notícias não tem correlação com o status econômico de um país. As pessoas em países emergentes e em desenvolvimento têm tanta chance de usar suas redes sociais para chegar a notícias quanto aquelas de países desenvolvidos: “Para falar a verdade, as percentagens de pessoas que recebem notícias pelo menos uma vez ao dia por meio de redes sociais são quase iguais em países emergentes e desenvolvidos (33% e 36%, respectivamente)“.

A Pew conduziu seu estudo com 41.953 pessoas em 38 países de fevereiro a março de 2017. O relatório completo está disponível aqui.

*Shan Wang integra a equipe do NiemanLab. Ela trabalhou em editoriais na Harvard University Press e já foi repórter do Boston.com e do New England Center for Investigative Reporting. Uma das primeiras histórias escritas por ela foi sobre Quadribol Trouxa para o The Harvard Crimson. Ela nasceu em Shanghai, cresceu em Connecticut e Massachusetts e é fã de Ray Allen. Leia aqui o texto original.

Poder360 tem uma parceria com o Nieman Lab para publicar semanalmente no Brasil os textos desse centro de estudos da Fundação Nieman, de Harvard.

Poder360