João Pessoa 17/02/2019

Início » Notícias » Posse de armas facilitado vai valer em todas as cidades, diz Onyx Lorenzoni

Posse de armas facilitado vai valer em todas as cidades, diz Onyx Lorenzoni

Critério: taxa de mortes nos Estados Demitidos na Casa Civil: metade volta Reforma da Previdência sairá em 2019 Liberar emendas não é toma lá, dá cá

Onyx-Lorenzoni-Poder360-Entrevista14Jan2019 Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Onyx Dornelles Lorenzoni tem 64 anos. É filiado ao Democratas e exerce mandatos contínuos de deputado estadual ou federal desde 1999

O ministro da Casa Civil, Onyx Dornelles Lorenzoni, 64 anos, disse em entrevista ao Poder360 na 2ª feira (14.jan.2019) que a nova regra para conceder posse de armas contemplará todos os brasileiros. A linha de corte sobre taxa de homicídios será a dos Estados, e não a dos 5.570 municípios do país.

Dessa forma, brasileiros de todas as cidades poderão se inscrever para ter uma arma em casa. É que o requisito para obter o direito à posse será morar em algum lugar cujo número de homicídios seja igual ou maior do que 10 para 100 mil habitantes. Os 26 Estados e o Distrito Federal estão acima desse patamar.

Chegou-se a pensar numa combinação entre taxas de homicídios de cada cidade com a dos Estados. Nessa hipótese, haveria 3.485 municípios que se encaixariam com uma taxa igual ou maior do que 10 mortes para cada 100 mil habitantes. E em 2.085 cidades não seria permitido aos seus habitantes terem posse de armas.

Onyx Lorenzoni explicou: “Para não ter nenhum risco de ficar nenhuma cidade fora nós congelamos no Atlas da Violência de 2018, que usa os dados de 2016. Congelando isso, não temos risco de nenhuma cidade brasileira ficar fora”.

Será considerada a estatística dos Estados, para incluir toda a população do país.

E se algum Estado melhorar sua situação e passar a ter menos de 10 mortes por 100 mil habitantes? Perderia a condição de ter a posse? “Não, porque a regra está congelada em 2016. Não tem nada escrito no decreto de que ‘se eventualmente’. A regra está lá”, responde Onyx.

Assista ao trecho da entrevista de Onyx Lorenzoni ao Poder360 quando ministro fala sobre as novas regras para posse de armas:

Filiado ao Democratas do Rio Grande do Sul e exercendo mandatos contínuos de deputado estadual ou federal desde 1995, Onyx está no comando da coordenação política de Jair Bolsonaro. Sua 1ª providência ao assumir a Casa Civil foi demitir 320 funcionários da pasta, à guisa do que chamou de “despetização”.

Na entrevista ao Poder360, disse que todos tiveram a oportunidade de dizer se queriam ficar nos cargos e passar por uma entrevista. Segundo o ministro, “vários já foram” recontratados. “Acho que uns 40%. Uma média de 40% ou 50% devem ficar”.

A decisão de ter demitido todos os funcionários da Casa Civil foi considerada controversa por alguns setores do governo. O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, chegou a dizer que faria o mesmo processo com mais “carinho”.

Indagado sobre essa declaração de Mourão, o ministro da Casa Civil respondeu que o vice-presidente não estava em Brasília desde 2003 na oposição ao PT. Onyx disse que vai presentear Mourão com 1 dos livros que escreveu sobre o PT: “Vou levar para ele o livro para ele ler e ele vai ver que eu fui bastante educado com os petistas”.

Sobre a principal reforma do governo de Jair Bolsonaro, a da Previdência, o chefe da Casa Civil diz que o presidente receberá nesta semana, como já anunciado, o projeto completo.

O texto da Previdência será analisado por Bolsonaro por alguns dias. Possivelmente até durante a viagem que o presidente fará a Davos, na Suíça, para participar do Fórum Econômico Mundial, de 22 a 25 de janeiro. No retorno ao Brasil, a equipe econômica receberia uma resposta sobre como encaminhar tudo para o Congresso.

Bolsonaro submete-se no final do mês –a data preliminar é 28 de janeiro– a uma cirurgia para retirar a bolsa de colostomia implantada depois que ele sofreu um ataque a faca, em setembro de 2018. Segundo Onyx, a operação será no momento ideal.

“É importante falar sobre isso porque tinha perspectiva de ser em dezembro. Os médicos [acham] que o período ideal para fazer a retirada da bolsa é de 4 a 6 meses pós-colocação. Ele vai fazer com praticamente 5 meses. Vai estar dentro do período considerado ideal pelos cirurgiões gastro que vão fazer a cirurgia”.

Como será possível aprovar a reforma da Previdência em 2019, como diz o ministro, se o Palácio do Planalto quer acabar com o toma lá, dá cá da política? Emendas ao Orçamento não poderão mais ser negociadas?

“Um parlamentar lutar pelas suas emendas é o dever do parlamentar. Não tem nada de ‘toma lá, dá cá’ nisso. É da essência do parlamento brasileiro por conta da forma como nós fazemos essa relação. Achar que isso é ‘toma lá, dá cá’ é 1 equívoco”.

O 1º grande teste de Onyx Lorenzoni será manter o Palácio do Planalto preservado durante o processo de eleição dos presidentes da Câmara e do Senado, em 1º de fevereiro.

O titular da Casa Civil voltou a dizer que o Planalto ficará neutro na disputa. Não quis fazer juízo de valor sobre os nomes dados hoje como favoritos para comandar a Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Senado, Renan Calheiros (MDB-AL).

Indagado se o processo já estaria quase definido, responde negativamente. E usou uma analogia que remete ao grande apoio formal que Rodrigo Maia já conseguiu, de 12 partidos.

É muito cedo para se ter qualquer definição. Essas coisas de sacramentar, eu me lembro quando foi feita a aliança em torno do ex-governador [Geraldo] Alckmin (PSDB) de que ele já tinha ganhado a eleição, né? Para presidente. No mínimo, estaria no 2º turno. O que que aconteceu? Então, a gente tem que ter paciência, tem que ter calma, e o governo está agindo com toda a prudência nisso. Sem interferência”.

Na campanha eleitoral de 2018, o então concorrente tucano Alckmin teve o apoio de muitos partidos tradicionais, posando para uma foto constrangedora com vários políticos investigados. Teve muito tempo de TV e estrutura financeira –mas terminou com 4,8% dos votos, em 4º lugar.

Sem vocalizar dessa forma, Onyx está fazendo uma comparação das alianças hoje formalizadas por Rodrigo Maia com as de Geraldo Alckmin em 2018.

A seguir, trechos da entrevista do ministro da Casa Civil, gravada no estúdio do Poder360, em Brasília:

Poder360 – ministro Onyx Lorenzoni, quando a estrutura da Casa Civil estará completa e todos os nomes dos seus secretários serão oficialmente conhecidos?
Onyx Lorenzoni – O decreto que reestruturou toda a Esplanada, fazendo aquela redução para 20 ministérios funcionais (e mais 2, o caso do Banco Central e da AGU [Advocacia Geral da União]), passa a vigorar plenamente e ter os seus efeitos da nova estrutura a partir de 1º de fevereiro. A partir dessa data, nós podemos fazer a constituição plena de toda a estrutura nova em toda a Esplanada.

Foram falados alguns nomes. O deputado Leonardo Quintão [MDB-MG], o deputado Manato [PSL-ES] e o senador Paulo Bauer [PSDB-SC]. Sendo Quintão para ser secretário de assuntos parlamentares em geral, o deputado Manato seria secretário especial para relacionamento direto com a Câmara e Paulo Bauer, secretário especial de relacionamento direto com o Senado. É isso?
Devem ser esses nomes mesmos. Eles serão as pessoas que vão tocar essa articulação que nós vamos fazer com o Congresso Nacional, não apenas para as reformas, mas também para o dia a dia do governo com o Congresso.

Há dúvida sobre como será o relacionamento e a eficácia do relacionamento do Planalto com o Congresso com o que o atual governo diz ter sido o fim do “toma lá, dá cá”. Como o sr. vai convencer deputados e senadores –uma das suas funções na Casa Civil– a aprovar reformas como a da Previdência?
Já recebemos na transição as 11 maiores bancadas da Câmara –mais de 320 deputados federais– para conversar com o presidente. Também já dialogamos com 5 bancadas do Senado Federal.
A forma como o governo vai se relacionar com o Congresso é com muito diálogo. Isso já vem surpreendendo. Vai continuar surpreendendo. O presidente Bolsonaro foi congressista por 28 anos. Ele conhece bem a forma como se constroem as relações. O “toma lá, dá cá” já acabou no momento em que nós constituímos o grupo de ministros, o grupo de secretários sem ter nada disso. Assim como nas principais estatais. Isso hoje já é página virada para a gente.

Se 1 deputado ou senador procurá-lo e disser o seguinte: “Ministro Onyx, eu quero realmente votar junto com o governo pela reforma da Previdência, mas o sr. sabe, eu tenho uma emenda, que está aí há algum tempo, precisando de algum detalhe técnico para ser liberada. Eu gostaria que o sr. me ajudasse”. O que o sr. diria?
Primeiro a gente tem que fazer uma separação. O que era o “toma lá, dá cá”? não era isso. O que você está me trazendo como exemplo, e várias pessoas falam como se fosse “toma lá, dá cá”, isso é o exercício da atividade parlamentar. Corriqueiro. Rotineiro.
O que é o “toma lá dá, cá” que desestruturou e fez com que a política se desconectasse da sociedade? Era quando o partido político recebia 1 ministério, ou 1 banco oficial, como Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil ou a Petrobras, como nós vimos no Petrolão. E lá ou tinha o ministério inteirinho de porteira fechada. E aí aquele partido operava lá dentro, no pior sentido da palavra “operação”. Ou então havia o compartilhamento, quando era gigantesco, como era o caso da Petrobras e nós vimos lá diretorias do PP, diretorias do PMDB, diretorias do PT. A gente sabe como era a história. O “toma lá, dá cá” era isso.

E emendas?
Um parlamentar lutar pelas suas emendas é o dever do parlamentar. Não tem nada de “toma lá, dá cá” nisso. Isso é da essência do parlamento brasileiro por conta da forma como nós fazemos essa relação. Qual é a função de 1 deputado federal ou de 1 senador em 1 país onde 64% de toda a arrecadação tributária está no governo federal? É vir aqui e brigar para levar recursos para onde? Para o seu Estado e para os municípios.
Achar que isso é “toma lá, dá cá”, é 1 equívoco.

Sumarizando: deputado e senador pedir dinheiro, verba para o seu Estado, para suas regiões é uma atividade legítima e diferente do “toma lá dá cá”?
Completamente diferente. Tanto é que eu cheguei aqui em Brasília em 2003 e até 3 anos atrás o Orçamento não era impositivo. As emendas parlamentares não eram impositivas. Eu defendo que todo o Orçamento seja impositivo.

O Poder360 tem ouvido que tem sido difícil entrar em contato com o sr. Quem diz isso são deputados, senadores e às vezes até empresários. Procede?
Durante a transição a demanda foi absurda. Dos 22 ministros, eu recebi a espinhosa missão do presidente [de coordenar o processo]. Nós tivemos uma lei, 1 decreto regulamentador, 1 regimento. Nós tivemos 50 pessoas trabalhando nomeadas na transição, mais ou menos 60 requisitados de vários órgãos públicos e tivemos mais de 120 voluntários. Foram lá para colaborar com o país e com o presidente Bolsonaro. Para toda e qualquer decisão, naquele momento, precisava passar por mim e pela minha equipe. Era 1 volume muito grande.
Nós montamos uma pequena força-tarefa para atender a todos. Às vezes as pessoas iam lá e queriam falar especificamente comigo e às vezes era 1 deputado que atendia –por conta de o presidente ter me requisitado, por eu estar em uma reunião. Aí, claro, o parlamentar quando vai lá e não falava com quem ele queria, dizia que não foi atendido. Isso é normal. Eu conheço bem isso e a gente sabe que é assim.

No início da sua gestão o sr. demitiu 320 funcionários da sua pasta. Disse ser 1 processo de “despetização”. Menos de 5% dos demitidos eram filiados ao PT. Foi a melhor decisão do ponto de vista gerencial?
Claro que sim. Por uma razão objetiva: nós sabíamos ao fazer isso que nós íamos ter dificuldades, como tivemos, e que nós levaríamos 2 ou 3 semanas para repor a estrutura toda em movimento. Mas nós vamos governar 4 anos. É diferente. Quem não fez isso não governou. E exemplos são múltiplos. Inclusive nesse governo Temer. Muita gente não seguiu algo assemelhado ao que nós fizemos e não governou, literalmente. Ou foi rainha da Inglaterra: dava ordem e a ordem não era cumprida.
Nós ganhamos essa eleição para tirar o PT da frente e todos aqueles que se alinharam ao projeto que fez muito mal ao Brasil. Então, na minha opinião, nós tínhamos que começar isso no 1º dia. E eu comecei.

Mas o sr. tomou conhecimento dessa informação de que cerca de 3% ou 4% apenas eram de fato filiados ao PT?
Filiados… Mas e a turma da simpatia que tratou de se desfiliar há 2 ou 3 anos porque o barco começou a mudar de rumo? Não tem como saber. A gente não tinha como diferenciar.

Alguns desses que foram demitidos serão recontratados eventualmente?
Vários já foram.

Quantos aproximadamente?
Eu não sei te dizer, mas acho que uns 40%.

40% dos 320 já foram recontratados?
Não digo isso. Em cada setor, em média, 40% ficaram e foram recontratados.

No final vai ser isso? Cerca de 40%
Deve ser. Uma média de 40% ou 50% devem ficar.
O que que aconteceu? Lá, na Casa Civil, tanto na Subchefia de Assuntos Jurídicos, onde ficou a grande maioria, na própria Sama (Secretaria de Acompanhamento e Monitoramento); na Sag (Subchefia de Ação Governamental), o corpo era muito técnico, isso é 1 reconhecimento importante.
O ministro [Eliseu] Padilha fez 1 grupo muito técnico de assessoramento a ele e ao governo que coordenava. A gente reconheceu isso. Mas é que precisava ter 1 gesto. Precisava separar joio do trigo. Nós dissemos a todos: ‘Nós vamos fazer a exoneração. Aqueles que quiserem permanecer, por favor, voltem a partir de amanhã que nós vamos conversar’.
Todos os chefes reconversaram. Algumas pessoas se deram conta de que não tinham capacidade –não capacidade técnica, mas capacidade política de conviver com o novo momento– e saíram para voltar para os seus ministérios de origem.

O vice-presidente da República, general Mourão, opinou sobre as demissões na Casa Civil. Disse que teria feito com mais “carinho”. Como o sr. interpreta essa declaração?
É que o general Mourão não estava aqui desde 2003. Eu conheço o PT desde a eleição da prefeitura de Porto Alegre. Desde 1988. Já escrevi 5 livros. O último é “Ascensão e queda do império petista”, que termina uma trilogia chamada máfia da estrela e que conta bem a história de como eles procedem e aparelham a estrutura do Estado.
Como eu conheço muito bem, sei que eles se escondem bem. Aparecem na hora certa. Como os lobos solitários daquelas organizações que a gente sabe que tem no mundo árabe. Estão lá disfarçadamente… quando precisa, são acionados e têm uma ação.

O que o sr. diria para o general Mourão então quando ele pede mais carinho?
Tenho 1 profundo respeito pelo general Mourão. É uma pessoa que já prestou e vai prestar mais ainda 1 trabalho muito relevante ao Brasil do presente e ao Brasil do futuro. Vou levar para ele o livro [que escrevi] para ele ler. Ele vai ver que eu fui bastante educado com os petistas.

O sr. falou várias vezes durante a campanha que a reforma da Previdência em tramitação no Congresso não servia. Como será a reforma que o presidente Bolsonaro apresentará? Mais ampla do que a que está no Congresso ou aproveitando a que está em tramitação?
A equipe técnica liderada pelo professor Paulo Guedes está debruçada sobre isso.
A nossa geração construiu 1 processo que é tendente a falir. Por isso precisa de remendo. Ele é 1 barco com o casco furado ou 1 avião que está com problemas graves e precisa ser consertado. Nós vamos arrumar o que está ruim. Vamos criar 1 novo caminho para os jovens, nossos filhos e netos. Vamos melhorar a formação de poupança interna e desfazer essa dependência que o Brasil tem do capital externo.
Uma coisa que nos preocupa é que a próxima reforma da Previdência seja [apenas] daqui a 30 anos. Não dá para ficar bulindo com a vida das pessoas, o servidor público, da professora, do policial militar, do trabalhador, do profissional liberal a cada 5, 6 anos. Essa é a nossa tese: fazer de uma vez, arrumar, dar 1 novo caminho, ter uma externalidade positiva para o Brasil e a próxima reforma [só] daqui 30 anos.

O sr. fala em uma reforma ampla e duradoura. Mas vários integrantes no governo e até o próprio presidente sinalizam com uma reforma mais tímida
O presidente Bolsonaro sabe de muitas teses que a equipe do professor Paulo Guedes está construindo. Mas ele ainda não conheceu a versão final desse conjunto. Ele vai conhecer nesta semana. Aí terá 1 tempo para refletir. O período que ele vai para Davos. Vai pensar, e, na sua volta, vai definir qual é o melhor caminho que vamos seguir.

O sr. poderia falar um pouco sobre esse cronograma?
O presidente vai receber 1 projeto pronto. Aí, vai escolher…
É uma escolha de caminhos. Nós vamos dar 1, 2, 3 caminhos e vai ser discutida a estratégia. O presidente volta de Davos para o Brasil no dia 25. Dia 27 vai para o Einstein fazer os exames. Dia 28, se tudo correr bem, vai para a cirurgia e resolve definitivamente o problema.
É importante falar sobre isso porque tinha perspectiva de [a cirurgia] ser em dezembro. Eu o acompanhei na última ida [ao hospital] e ficou muito claro que os médicos acham que o período ideal para fazer a retirada da bolsa é de 4 a 6 meses pós-colocação. Ele vai fazer com praticamente 5 meses. Estará dentro do período considerado ideal pelos cirurgiões gastro que vão fazer a cirurgia.

O presidente deve dar as diretrizes sobre a reforma da Previdência antes de entrar na cirurgia?
Não sei dizer. Vamos supor que ele goste do que for apresentado amanhã ou depois de amanhã… Aí está pronto. É só uma questão estratégica. Ou ele pode pedir 1 ajuste aqui ou acolá, aí na volta ele rever se ficou bom, se ficou como ele queria. Então eu estimo que daqui até meados de fevereiro a gente está em condições de enviar para o Congresso.

Nesse cardápio estará incluído também o setor militar na reforma da Previdência?
Isso está sendo estudado. Eu ainda não tenho esses dados. Vou conhecer mais profundamente a proposta provavelmente amanhã [3ª feira, 15.jan]. Vai ter uma reunião na Fazenda como nós fizemos na última 5ª feira, quando alinhamos uma série de coisas.

Mas o sr. tem uma opinião formada sobre a necessidade de incluir ou não os militares na reforma da Previdência?
Isso tem que ser avaliado pela equipe do professor Paulo Guedes. Aquelas coisas que tinham no passado já foram retiradas em 2003. Hoje, aparentemente, está adequado.

Isso não foi decidido ainda?
Isso está em estudo. Não tem decisão tomada ainda. Na maior parte dos países no mundo ocidental há tratamento diferente para as Forças Armadas. A Previdência do civil tem outra característica.

Entre as declarações consideradas controversas de alguns integrantes do governo, a ministra Damares [Alves] falou sobre o avanço da ciência nas escolas (em uma gravação antiga que foi divulgada agora) e que isso foi feito em detrimento da presença da religião. A ministra acredita no criacionismo. O  sr. acredita na teoria do criacionismo?
Eu tenho fé. Acredito em Deus. Portanto, acredito.
Uma coisa é a fé de cada 1 e outra coisa completamente diferente é o trabalho feito nas escolas. Acho que dentro das idades adequadas tem que ser apresentado às crianças, aos jovens, as duas teorias, os 2 caminhos, as teses. Eu sou uma pessoa de muita fé e não tenho problema nenhum de falar isso. Foi uma escolha que eu fiz. O que nós sempre defendemos é que a escola, quando vai educar, não faça doutrinação de nenhum tipo.
Se a família tem fé e pratica sua fé, a criança naturalmente se alinha naquela direção. Isso é coisa da família e não da escola.

A nova regra para posse de arma deve ser anunciada nesta semana. Será considerada a taxa de homicídios de cada cidade?
Essa questão que já foi veiculada é para não ter nenhum risco de ficar nenhuma cidade fora. Nós congelamos no Atlas da Violência de 2018, que usa os dados de 2016. Congelando isso, nós não temos risco de nenhuma cidade brasileira ficar fora.

São todas?
São todas. Cem por cento. Pelo conceito mais amplo está todo mundo incluso.
Em 2005, o Brasil gastou dinheiro público, chamou a população e 64% da população brasileira disse que era a favor do direito à legítima defesa. Apenas 3% da população naquela época tinha uma arma registrada.
O presidente Bolsonaro está repondo aquilo que a sociedade brasileira pediu, comandou os governantes e nem o Lula, nem a Dilma [Rousseff], nem o [Michel] Temer respeitaram. O presidente Bolsonaro está respeitando a vontade popular expressa lá em 2005.

O Estado de São Paulo tem uma taxa de 10,88 homicídios para 100.000 habitantes. Está em queda. Quando 1 Estado descer abaixo de 10 terá 1 tratamento diferente?
Não. A regra está congelada em 2016. Não tem nada escrito no decreto de que “se eventualmente” [cair]. A regra está lá. O ministro da Justiça desejava que tivesse 1 conceito específico. Como nós também pensamos que poderia haver algo assemelhado. Nós tomamos o cuidado de fazer o congelamento nos dados de 2016. Não há nenhum risco de nenhum cidadão brasileiro e nenhuma cidade brasileira não ter o seu direito à posse de arma ser respeitado.

O aumento das armas pode aumentar a criminalidade?
O meu Estado, onde nós ganhamos o referendo por 82%, o Rio Grande do Sul, sempre foi o Estado mais armado do país, com os mais baixos índices de homicídios por 100 mil historicamente.

Integrantes do seu campo político, do governo, rejeitam nomes como o do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que é candidato a presidente da Câmara, e de Renan Calheiros, do MDB, candidato a presidente do Senado. O  sr., em particular, tem algum óbice em relação a Rodrigo Maia e/ou a Renan Calheiros?
O presidente Bolsonaro, a quem eu sirvo como assessor lá na Casa Civil, por ser parlamentar, na minha visão, tomou a melhor decisão. Ou seja, o governo não vai interferir. Essa é uma escolha da Câmara e do Senado.
Todos os últimos governos que tiveram ações efetivas para tentar fazer a intervenção na decisão das duas Casas se deram mal. Todos, sem exceção.

Só quando perderam ministro. Quando acertaram, deram-se bem.
Então vamos lá… deixa eu dizer respeitosamente. Lembra do João Paulo Cunha [PT-SP]?

Sim.
O governo ganhou, correto? Lembra quando passou lá a reforma previdenciária, reforma tributária? Lembra que o João Paulo Cunha fez uma frase, dizendo que “o governo governa e a Câmara legisla”? Foi 1 choque, mais ou menos uns 6 ou 7 meses depois da sua vitória com o apoio do governo, e que se estendeu por todo o mandato dele, até que ele teve aquele fim que a gente sabe, no mensalão.
Mas o choque foi muito forte entre o governo. E o Lula nunca escondeu de ninguém. Tem várias e várias declarações, que tinha considerado 1 erro ter elegido o João Paulo Cunha. Então, mesmo quando venceram, eles tiveram problemas. A Dilma é o grande exemplo…

Mas há exemplo dos 2 lados, não é?
Sim. Mas vamos lá. No período do PT, as intervenções, que eram sempre intensas, ao fim e ao cabo sempre se revelaram danosas.

Mas no caso do Aldo Rebelo, eles acertaram…
O Aldo Rebelo [ex-PC do B e agora SD] foi muito mais uma construção do Parlamento que o governo aceitou do que uma decisão do governo para dentro do Parlamento.
O Aldo é 1 pouco diferente. Tanto é que nem está mais no PC do B. O Aldo era 1 parlamentar muito intelectualizado, que tinha uma visão de mundo muito diferente do partido dele. Tanto é que isso ficou revelado quando o Aldo foi relator do Código Florestal. Ali a gente viu a amplitude da capacidade que ele tinha de pensar o país acima das ideologias. O Aldo tinha essa relação interna dentro do Parlamento. A eleição do Aldo foi uma construção congressual. Ela não foi do governo…

O sr. está elogiando muito o Aldo Rebelo. Estou achando que ele vai trabalhar na Casa Civil…
Não! Eu tenho o maior respeito por ele. Porque apesar de divergimos em muitas coisas ideologicamente, eu tenho grandes amigos na esquerda, por conta de pessoas que mantêm sua coerência e não caíram no canto da sereia.

Mas o sr. tergiversou. Eu perguntei se o sr. tem algum óbice em relação a Rodrigo Maia ou a Renan Calheiros…
Não cabe personalizar, não cabe…

Seriam bons presidentes da Câmara e do Senado?
A minha visão, o que me cabe neste momento, é fazer aquilo que eu recebo de determinação do presidente Bolsonaro. Não me cabe fazer julgamento de A, B ou C. Eu trabalho com o conceito do presidente.

Hoje o senso comum é que Rodrigo Maia e Renan Calheiros são candidatos favoritos. O sr. acha que as avaliações são corretas ou precipitadas?
Uma hora tem nuvem. Meia hora depois não tem nuvem nenhuma. Depois as nuvens voltam…
É muito cedo para se ter qualquer definição. Eu me lembro quando foi feita a aliança em torno do ex-governador [Geraldo] Alckmin, de que ele já tinha ganhado a eleição para presidente. No mínimo, estaria no 2º turno. O que que aconteceu? A gente tem que ter paciência, tem que ter calma. E o governo está agindo com toda a prudência nisso. Sem interferência.

Tem uma analogia com o Rodrigo Maia aí…
Não, nenhuma, nenhuma, nenhuma.
O governo não vai interferir.

O sr. sempre é questionado sobre 2 casos. Um deles o sr. admitiu ter cometido 1 erro ao receber dinheiro não declarado de caixa 2. No outro, o sr. nega e há uma investigação em curso. O que o sr. tem a dizer sobre esses 2 casos? Até porque, no caso do caixa 2, o próprio ministro da Justiça, Sérgio Moro, tem dito que gostaria de apresentar 1 projeto para criminalizar esse delito?
Bom, eu criminalizei o caixa 2. Nas 10 medidas [contra a corrupção]. Criminalizei quem dava, quem recebia e o eleitor que vendia seu voto –porque isso é 1 problema no Brasil, gravíssimo. Agora, o que tem que ficar separado é que tem aquele recurso de fundo eleitoral, que é o erro que eu cometi ao não registrar.

Foi dinheiro não declarado que o sr. recebeu de qual empresa na época?
Eu recebi da Abiec [Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne]. Até porque as associações podiam doar. Em 2010, doaram em larga escala. Em 2014 a lei permitia, mas havia uma disputa judicial, tanto no TSE [Tribunal Superior Eleitoral] quando no STF [Supremo Tribunal Federal], sobre se elas estariam assemelhadas aos sindicatos ou não, que é vedada pela lei.
O que tem que ficar claro é aquilo que tem origem em atos de corrupção, aquilo que tem conexão com corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro. E não se trata nada disso. Trata-se sim de 1 ato não declaratório. Foi isso que aconteceu comigo.
E esse negócio de 2012, que apareceu no mesmo processo de delação da JBS, que eu nem sabia que era da JBS a origem, eu fui saber depois que houve a comunicação. O que que ocorreu? Eu não era nem candidato. Então, por que razão teria que me alcançar qualquer tipo de recurso? Em 2012 eu não fui candidato a nada. É o que se chama juridicamente impossível. Sou acusado de quê?

No outro caso o sr. admitiu que de fato ocorreu, em 2014. O sr. disse: “Olha, eu já me acertei com Deus, reconheço que errei”. Muita gente o questionou: “Mas quando na Justiça dos homens alguém comete 1 erro, tem que prestar conta para a Justiça dos homens”. Nesse caso, o sr. acredita que deva haver alguma reparação?
Lá na época eu me apresentei à PGR [Procuradoria Geral da República]. Falei sobre o assunto, e me disseram: “O sr. aguarde para ser chamado 1 dia”. E o que que acontece? Hoje tem, e eu considerei uma benção agora em dezembro, a notícia de que há 1 procedimento autônomo, que não é nem inquérito, para fazer o esclarecimento, no âmbito do STF. Foi pedido pela PGR. Então, eu devo ser chamado agora em janeiro para ir lá prestar esclarecimento.
E eu estou aguardando isso.
O que que tem por trás de tudo isso? Vamos ser claros aqui… O que tem por trás de tudo isso é uma tentativa de me conectar com corrupção. Isso nunca vão conseguir. Eu sou 1 combatente contra a corrupção. Eu tenho 24 anos de vida pública e só 1 processo. Um processo. Quero saber quantos que são assim. De outro lado, esse esforço que há a repetição e à exaustão, de alguns setores da mídia… eu até me manifestei ontem em uma gravação que fiz nas minhas redes.

Houve agora outro caso. Os pagamentos que o sr. fez para 1 serviço de consultoria usando sua verba da Câmara.
Já meti o processo. Já meti o processo neles. Nunca processei ninguém. Mas é tão fora de contexto… a razoabilidade é 1 absurdo.

Houve pagamento a uma consultoria que, em alguns períodos, emitiu notas fiscais de números sequenciais. O sr. acha que aí não tem nenhum problema?
Vamos lá. O sujeito trabalha direta ou indiretamente para mim e para meu partido, há 20 anos. Presta contas das minhas campanhas eleitorais e do partido. Várias delas serviram de exemplo pelo TRE para prestação de contas, dada a correção. Neste ano, eu gastei R$ 150 mil nessa consultoria.

Em 2018?
2018. Eu fui o 13º ou 14º dos 31 do Rio Grande do Sul. Teve parlamentar que gastou R$ 490 mil. E eu acho que está correto. A Câmara revisa. Isso é publicado. Tiveram que voltar 2 mandatos e meio para arrumar 1 valor razoável, de R$ 300 mil. Foram até o meu mandato de 2010. Pegaram o mandato de 2010, o mandato de 2014. Arrumaram R$ 300 mil. Divide pelos anos e pelos meses. São R$ 3.000 por mês. Pago, efetivamente. Todos os pagamentos feitos e publicados imediatamente na internet e a nota revisada pela Câmara. Isso é 1 absurdo. Então, a ilação qual é? Que eu fui lá, usei notas que são suspeitas para receber dinheiro da Câmara… Pelo amor de Deus. A gente sabe o que que é isso. Isso é o jornalismo da pior qualidade. Ou seja, ali não tem jornalismo, ali tem sensacionalismo. Se é 1 jornaleco de bairro. Agora, 1 jornal que eu respeitei, que recebi críticas –como tem que ser–, mas essa não, essa não…

O  sr. está processando, portanto, o jornal Zero Hora?
Estou.

Mas o sr. tem alguma contestação objetiva dos dados apresentados ou é sobre alguma opinião que foi emitida?
Não, a forma como foi feito. Meus advogados encontraram o enquadramento. Eu não devo nada. Eu não temo. Eu tenho a verdade comigo. Eu vou ser desonrado por quê? Porque faz pesquisa no Rio Grande do Sul eu sou o 1º ou 2º para governador. É por isso? É o medo de, lá na frente, eu poder governar…

O  sr. é candidato ao governo do Rio Grande do Sul?
Olha, nesta campanha de 2018, em fevereiro, quando tomei a decisão de acompanhar o presidente Bolsonaro, a última pesquisa que nós fizemos, o então governador, [José Ivo] Sartori [MDB-RS], tinha 15% e eu tinha 14%. O atual governador [Eduardo Leite, do PSDB] tinha entre 5% e 6%. 

O  sr. gostaria de, no futuro…
Um dia, eu sonho em governar o Rio Grande.

Isso pode ser, então, em 2022…
Eu nunca escondi isso de ninguém! Então coisas como essa, que são agressões gratuitas e absolutamente não razoáveis, se faz uma maquinação… Eu acho que a melhor forma de se responder a isso é na Justiça, onde se vai dirimir toda e qualquer dúvida. Quem não teme, que é o meu caso, não tem medo de enfrentar seja quem for.

Só para concluir. Faça uma previsão de quando o sr. acredita que estará concluído o processo de reforma da Previdência?
A expectativa é que o governo tem é no sentido de que a gente resolva isso neste ano, sem prazo definido. 

Assista à íntegra da entrevista, com 52 minutos:

Poder360