Poupança tem perda de depósitos de R$ 55 bi, a maior em 20 anos.

poupançaProjeções da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) para 2016 são de financiamentos habitacionais com recursos da poupança recuem a R$ 60 bilhões, como em 2011 – Dado

SÃO PAULO – A caderneta de poupança apresentará em 2015 a maior perda de depósitos em 20 anos — os números de dezembro com o balanço do ano serão divulgados nos próximos dias — mas, entre janeiro e novembro, os saques líquidos já somavam R$ 54,94 bilhões. Desde 1995, quando o Banco Central (BC) passou a medir os fluxos das cadernetas, o recorde de saques ocorrera, até então, em 2003, cerca de R$ 8,2 bilhões. Além da queda da renda e do aumento das despesas das famílias, por causa da inflação mais alta, a menor rentabilidade em relação a outras aplicações de renda fixa explica as retiradas da caderneta. Embora os ritmo dos saques tenha diminuído um pouco nos últimos meses do ano, a expectativa dos agentes financeiros é que os saques líquidos se repitam este ano, o que também é inédito.

PREJUÍZO AO SETOR IMOBILIÁRIO

A intensa saída de recursos da poupança, que continua sendo a principal fonte de recursos dos financiamentos habitacionais, só não se tornou um risco à oferta crédito à compra da casa própria porque a recessão, combinada com as restrições impostas pelos bancos — inclusive a Caixa Econômica — na concessão de crédito derrubaram a demanda por imóveis. Depois de alcançarem em 2014 o valor recorde, de R$ 112,9 bilhões, os financiamentos à aquisição e construção de imóveis caíam 30% até novembro, somando R$ 70,8 bilhões.

Mesmo assim, o forte ritmo de retiradas das cadernetas desde o início de 2015 fez com que, no fim de maio, o BC liberasse R$ 22,5 bilhões do compulsório que os bancos são obrigados a recolher sobre os depósitos da poupança. E ainda endurecesse as regras para que as instituições cumprissem a exigência de aplicar 65% dos depósitos da poupança em crédito habitacional.

As projeções da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) para 2016 são de financiamentos habitacionais com recursos da poupança recuem a R$ 60 bilhões, o mesmo patamar de mercado de 2011. Quanto à poupança, a expectativa é que as perdas continuem este ano, mas a um ritmo moderado, desde que o BC não retome o ciclo de alta da Selic.

— Se houver novos aumentos dos juros, pode haver saída maior de recursos das cadernetas — diz Gilberto Duarte de Abreu Filho, presidente da Abecip.

Rafael Fagundes Cagnin, economista da Unicamp que estuda crédito habitacional, nota que o mercado imobiliário já começava a viver uma “crise de reversão de ciclo”, que se seguiu ao período de forte expansão e alta de preços dos imóveis (de 2004 a 2014), que se juntou às crises econômica e política que se aprofundaram em 2015.

— O risco de um esgotamento (da poupança) é reduzido, porque a demanda está se reduzindo, e os bancos vão ficando mais restritivos. Só que esse processo limita a importância social do Sistema Financeiro Imobiliário, pois cada vez mais pessoas terão dificuldade para acessar o crédito à compra da casa própria — avalia Cagnin.

FINANCIAMENTO MAIS CARO

Responsável por 80% dos financiamentos habitacionais no país, o fato é que as cadernetas têm um horizonte bem negativo à frente. A diferença que separa a rentabilidade das cadernetas dos ganhos de outras aplicações é enorme e não há perspectiva de diminuir no curto prazo: enquanto a poupança paga cerca de 7,5% ao ano, aplicações em fundos de renda fixa (referenciados no CDI, por exemplo) rendem 12,16% ao ano. Somam-se a queda da renda e o aumento do desemprego, que levam os poupadores a tirar o dinheiro a para as despesas ou dívidas.

— Não tem milagre. Enquanto os juros estiverem altos, teremos esse problema de funding com custos adequados ao crédito habitacional. Com juros de 15% ao ano, não há como retornar à normalidade — diz José Romeu Ferraz Neto, presidente do SindusCon-SP.
O esfriamento do mercado imobiliário afetou outros instrumentos de captação do crédito imobiliário — as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs). Mesmo beneficiado pela isenção do imposto de renda, o estoque de LCI, que cresceu 55,7% de 2013 para 2014, avançou 24% no ano passado. O ritmo de captações dos CRIs, que era de 22,6%, caiu a 5% no mesmo período. Com remuneração até 70% maior que a poupança, as LCI são usadas por bancos para complementar os recursos ao crédito imobiliário, e explicam o encarecimento desses financiamentos ao longo de 2015.

— No contexto atual, há uma pressão de custos muito forte, e o crédito imobiliário vai continuar mais caro — diz Abreu Filho.

O Globo