Prefeitura de Campina aciona Polícia Federal, MPF e PM após protesto e ameaça de invasão do Aluízio Campos

A inauguração do conjunto foi adiada várias vezes e está marcada para 11 de outubro, por decisão do Ministério do Desenvolvimento Regional, Banco do Brasil e Prefeitura de Campina Grande. (Foto: Divulgação/PMCG)

Após protesto dos cadastrados para o Complexo Habitacional  Aluízio Campos e ameaça de invasão do local, a Prefeitura de Campina Grande, através da Secretaria de Planejamento, formalizou na tarde desta sexta-feira (25) pedidos de investigação e monitoramento ao Ministério Público Federal, Polícia Federal e Polícia Militar em relação ao caso. A PMCG disse que grupos já foram identificados.

De acordo com o secretário Diogo Flávio Lyra Batista, “informações preocupantes chegaram à prefeitura, dando conta de que ações orquestradas, de caráter criminoso, estariam sendo feitas com vistas à invasão do conjunto – obra do Governo Federal, financiada pelo Banco do Brasil, cuja construção ficou a cargo da Prefeitura de Campina Grande.”

Diogo Flávio alerta que, “tão logo sejam identificados, os responsáveis pela incitação a esse crime serão intimados a prestar esclarecimentos, podendo ser processados e enquadrados em crime federal, com todos os efeitos previstos em lei.”

Inauguração

A inauguração do Aluízio Campos, conjunto com 4.100 unidades habitacionais e equipamentos públicos de educação, saúde e assistência social, foi adiada várias vezes e está marcada para o próximo dia 11 de outubro, por decisão conjunta do Ministério do Desenvolvimento Regional, Banco do Brasil e Prefeitura de Campina Grande.

O secretário Diogo Flávio explica que, por mais interesse que tenha a Prefeitura em promover a entrega do conjunto, por força contratual, a inauguração só poderá ocorrer quando estiveram cumpridas todas as etapas de assinaturas de contratos por parte dos mutuários. Essa operação é de responsabilidade exclusiva da instituição financiadora da obra, o Banco do Brasil.

O setor habitacional do BB, em São Paulo, até esta sexta-feira, só tinha encaminhado os contratos dos 3.012 proprietários das casas – praticamente todos já assinados pelos donos dos imóveis, após serem convocados a comparecer ao Teatro Municipal Severino Cabral, onde equipes da Prefeitura e do BB agilizaram o processo de assinaturas.

Os contratos referentes aos 1.088 apartamentos do conjunto só começam a chegar em Campina Grande na próxima semana, segundo o Banco do Brasil. O mesmo processo de convocação dos proprietários para assinatura dos documentos no teatro se repetirá, para a conclusão da última etapa antes da inauguração do conjunto.

ClickPB