Presidente da Câmara de Bayeux recebe R$ 20 mil a mais do salário permitido e ignora alerta do TCE-PB

O presidente da Câmara de Bayeux, Mauri Batista da Silva, mais conhecido como Noquinha (PSL), simplesmente resolveu, ao longo de 2017, reajustar o seu próprio salário. O valor fixado para o provimento do cargo de presidente da Casa Severaque Dionísio foi de R$ 13.505,20, mas Noquinha recebeu, ao longo do ano passado, o valor mensal de R$ 15.193,20. Ou seja,  R$ 1.668,00 a mais do teto estabelecido para o Legislativo Municipal. No total, ao longo de 2017, são R$ 20.016,00 a mais do valor permitido.

O Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) emitiu alerta a Noquinha em maio de 2017, recomendando que o presidente adequasse o seu salário para o valor afixado e que compensasse o que havia recebido em excesso até o mês de maio nos demais salários de 2017. Porém, o presidente da Casa não acatou o alerta. Somente respondeu ao TCE no final de dezembro, justificando que o autorreajuste tem como base o valor do salário do presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

No mesmo alerta, o TCE ainda informou que só seria admitido “alteração no valor dos subsídios fixados, R$ 10.128,80 (vereador) e R$ 13.505,20 (presidente), a partir de 2018”.

Confira os documentos abaixo: