Presidentes de Odebrecht e Andrade Gutierrez são presos pela PF em nova fase da Lava-Jato

presidente da gurierres presosMarcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, presidentes das empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez, foram presos nesta sexta-feira Foto: MARCOS BEZERRA/FUTURA PRESS / ESTADÃO

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira mais uma fase da Operação Lava-Jato. Na 14ª etapa da investigação, batizada de Operação Erga Omnes, são cumpridos oito mandados de prisão preventiva, quatro de prisão temporária, nove de condução coercitiva e 38 de busca e apreensão, em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Onze pessoas haviam sido presas até as 9h, entre elas os presidentes das construtoras Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo. As empresas estão entre as maiores do país no setor, e há suspeitas de irregularidades em contratos com a Petrobras.

Além deles, há outros executivos das companhias, como Márcio Farias, da Odebrecht, que havia sido citado em depoimento de delatores como envolvido no esquema de corrupção na Petrobras. Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão na sede da empreiteira e na casa de executivos.

A Odebrecht emitiu nota oficial sobre a operação:

“A Construtora Norberto Odebrecht (CNO) confirma a operação da Polícia Federal em seus escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro, para o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Da mesma forma, alguns mandados de prisão e condução coercitiva foram emitidos. Como é de conhecimento público, a CNO entende que estes mandados são desnecessários, uma vez que a empresa e seus executivos, desde o início da operação Lava Jato, sempre estiveram à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.”

No fim de maio, a Odebrecht afirmou à Polícia Federal que “não participa de esquemas ilícitos, menos ainda com a finalidade de pagar vantagens indevidas a servidores públicos ou executivos de empresas estatais” e rechaçou suspeitas sobre contratos com a estatal.

Os presos serão encaminhados à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, onde ficarão à disposição da Justiça. De acordo com a PF, o termo Erga Omnes significa uma expressão usada no meio jurídico que indica uma decisão cujos efeitos atingem todos de uma determinada população, não só as partes envolvidas.