Prévia do PIB indica recessão técnica no 2º trimestre

prévia pibPrévia do PIB fica no vermelho em junho deste ano(Alexandre Battibugli/EXAME/VEJA)

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), uma espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), teve queda de 1,89% no segundo trimestre deste ano ante igual período de 2014. Se o resultado for confirmado, a economia entrará em um quadro de recessão técnica, quando o PIB recua por dois trimestres seguidos – entre janeiro e março, o PIB encolheu 0,88%.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo Banco Central.

Somente em junho, o nível da atividade econômica do país teve retração de 0,58% em junho ante maio. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o recuo foi de 2,40%. Neste ano, apenas os meses de fevereiro e maio não tiveram contração. Deste modo, o resultado adverso do segundo trimestre é reflexo do desempenho negativo de abril e junho.

A leitura mensal do mês de junho veio pior do que o esperado por economistas, que projetavam queda de 0,53%.

No primeiro semestre deste ano, o IBC-Br apresentou recuo de 2,58%. Já no acumulado dos últimos doze meses, a baixa foi de 1,64%.

Os dados reforçam o caminho difícil a ser trilhado pelo país para retomar o crescimento econômico. Segundo o boletim Focus, a economia só vai voltar a ficar no azul em 2017, já que, na última projeção, o relatório apontou para uma queda de 0,15% em 2016. Para este ano, o mercado espera uma retração de 2,01% – se concretizado, será o pior nível da atividade econômica em 25 anos.

O quadro atual é caracterizado pela deterioração de quase todos os indicadores econômicos – inflação nas alturas, avanço do desemprego, encolhimento da massa salarial e juros elevados. Somado a isso, o país passa por um momento de crise política, que abala ainda mais a confiança dos consumidores e empresários na economia brasileira.

Veja