João Pessoa 12/12/2018

Início » Economia » Previdência deve ter convergência de propostas, diz futuro secretário

Previdência deve ter convergência de propostas, diz futuro secretário

Em entrevista, Marcos Cintra disse que cogita manter Jorge Rachid na chefia da Receita e considera Leonardo Rolim para a Secretaria de Previdência

Nomeado secretário-geral da Previdência e da Receita Federal, o economista e ex-deputado Marcos Cintra, 73, diz que está disposto a abrir mão da ideia defendida por anos, a do imposto único sobre movimentações financeiras, para buscar o consenso na reforma tributária.

À Folha de S.Paulo ele disse que cogita manter Jorge Rachid na chefia da Receita e considera Leonardo Rolim para a Secretaria de Previdência, mas os nomes ainda não estão fechados.

Sobre a reforma da Previdência, o secretário vê convergência entre especialistas, o que está ajudando na formulação de uma nova proposta. O governo Jair Bolsonaro deverá apresentar nova ideia de reforma em 2019.

Pergunta – Como o senhor reage às críticas de que a Receita está sendo rebaixada?

Cintra – A influência de uma pessoa ou de uma estrutura é função de sua eficiência, e não de sua colocação no organograma.

A segunda observação é que isso não faz sentido à luz do que está sendo montado no Ministério da Economia. O ministro reunirá três ministérios abaixo dele e será o coordenador e formulador de toda a política.

Haverá seis vice-ministros, digamos assim, os chamados secretários-gerais. O papel que o secretário da Fazenda, por exemplo, terá na estrutura é semelhante ao que o ministro da Fazenda tem antes dessa estrutura. Então, não é um rebaixamento efetivo, real.

Já está pronto o texto da reforma da Previdência?

Cintra – Ainda não me inseri ativamente no debate, porque eu era apenas um membro do grupo de transição. Mas o que vejo é que existe uma convergência de ideias nas propostas que circularam. Todas debatem os mesmos temas: idade mínima, separação de Previdência e assistência, desvinculação do salário mínimo dos benefícios, capitalização imediata ou uma transição mais gradativa. A diferença está na dosimetria e na forma de composição dessas providências.

Então, a busca pelo ponto de convergência e do que pode ser uma interseção de propostas já está bem viabilizado do ponto de vista teórico.

Ainda não há texto final a ser apresentado, mas os irmãos Weintraub têm trabalhado numa proposta interessante e são especialistas na área. O próprio Leonardo [Rolim] teve envolvimento grande com a proposta do Paulo Tafner [cujo embaixador é Armínio Fraga], o Fabio Giambiagi e o Raul Velloso têm trabalhado muito nisso também.

Acredito que com facilidade vamos chegar a um ponto de convergência. A proposta não terá a paternidade clara de ninguém, mas terá aderência grande aos pontos de vista mais importantes de todos.

Evidentemente ainda não houve discussão em detalhes com o Paulo [Guedes], nem com o próprio presidente [Jair Bolsonaro]. O presidente tem emitido sinais de que não quer uma reforma previdenciária que gere grandes descontinuidades ou grandes tumultos, quer uma coisa menos acelerada e disruptiva. Então, o que vamos fazer é construir isso e apresentar para o debate.

O sr. pensa em apresentar logo a proposta ou deixar para apresentá-la para o novo Congresso?

Cintra – Acho que iniciar agora os debates em cima dos princípios básicos e fundamentais seria prematuro. É muito calor e pouca luz. Muita polêmica e poucos resultados.

Então eu preferiria termos um texto básico, que seria apresentado e discutido e depois os ajustes feitos a partir desse debate público e com participação do Congresso. O Congresso é fundamental.

A proposta de Temer foi muito útil na conscientização da urgência do tema. Os principais pontos de qualquer reforma são conhecidos de todos. A questão é o ritmo, a velocidade, a composição e a intensidade. A ideia é fazer um projeto dessa administração, aproveitando tudo de todas as propostas que possam contribuir.

A reforma da Previdência entra antes ou depois da tributária?

Cintra – Provavelmente concomitantemente. O debate que eu quero submeter ao presidente e ao ministro é se é conveniente que isso ocorra, se não haveria uma dispersão de discussões. Mas eu acho que o ímpeto reformista da sociedade hoje justificaria trabalharmos em várias frentes.

Estamos falando intensamente em privatização, redução de gastos… o ministro está falando agora na desindexação do Orçamento. Acho que a sociedade está preparada para discutir uma ampla gama de reformas porque o Brasil não pode mais esperar.

O sr. abriu mão do imposto único sobre transações financeiras?

Cintra – A ideia do imposto único já foi assimilada por todos. A proposta de Bernard Appy, por exemplo, fala em juntar tributos estaduais, municipais e federais em um imposto único. Então, a ideia de agregar o maior número possível de tributos sobre uma base única é uma tese vencedora.

A discussão que gerou e pode gerar antagonismos é sobre qual a base tributável do imposto único. Se sobre a movimentação financeira, se será um IVA, um IVA dual, “sales tax”, como nos EUA, ou “cash flow tax”, como sendo discutido mundialmente [referindo-se à possível incidência dos tributos sobre o valor adicionado da produção (IVA), sobre consumo ou sobre entradas e saídas do caixa das empresas].

Minha posição, que é antiga, é sobre as movimentações financeiras. Evidentemente não estou mais na academia. A obrigação de um acadêmico é provocar discussão e polêmica para que a ciência avance. Agora, com o chapéu público, é o que é possível, o que a sociedade deseja, o que já amadureceu para aceitar.

Então, nessas condições, estou absolutamente preparado para abrir mão das minhas teses pessoais e acadêmicas.

Com informações da Folhapress.