Primeiro-ministro da Ucrânia renuncia ao cargo

Primeiro-ministro da Ucrânia renuncia ao cargo

ministro da ucraniaO primeiro-ministro ucraniano, Arseny Yatseniuk, renunciou ao cargo (Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters)

O presidente da Ucrânia, Arseni Iatseniouk, anunciou neste domingo (10) que pede demissão e renuncia ao cargo.

“Eu tomei a decisão de me demitir (…). Vou apresentá-la ao Parlamento. Minha decisão está baseada em muitos motivos – a crise política do governo foi desencadeada artificialmente, o desejo de mudar uma pessoa cegou políticos e paralisou a vontade deles de trazer reais mudanças para o país”, afirma Iatseniouk, de acordo com a Reuters, em transmissão televisiva.

A demissão ocorre em um momento de pressão na Ucrânia. Desde que houve a decisão de o país se aproximar da União Europeia, são esperadas reformas para combater a corrupção.

Em fevereiro, as autoridades receberam um alerta do Fundo Monetário Internacional (FMI), seu principal credor. A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, ameaçou cortar o fornecimento caso não visse “novos esforços significativos” do governo ucraniano para reformas e luta contra a corrupção. As consequências foram imediatas: a moeda despencou e afastou os investidores da dívida pública do país.

A situação se agravou quando, no mesmo mês, o ministro da Economia, Aivaras Abromavicius, altamente considerado pelos meios empresariais e chancelarias ocidentais, renunciou acusando um parente do presidente de bloquear reformas e querer impor personalidades “duvidosas” em sua equipe. “Nem eu nem minha equipe temos vontade de ser a fachada para a corrupção descarada, marionetes daqueles que querem dispor do dinheiro público ao estilo das velhas autoridades”, afirmou na ocasião.

Consequentemente, a pressão se voltou para Arseni Iatseniouk. A inoperância do poder, de acordo com especialistas políticos, poderia até provocar novas eleições antecipadas, tanto legislativas como presidenciais. O presidente, Poroshenko, chegou a falar em “revitalizar” o gabinete de Iatseniouk. O caos político levou, então, à renúncia do primeiro-ministro, neste domingo (10).

Acusações ao presidente
O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, vive um momento turbulento após acusações de corrupção.

Em agosto de 2014, mesmo mês em que tropas russas invadiram o leste da Ucrânia, Poroshenko se tornou o único acionista da Prime Asset Partners Ltd., uma empresa nas Ilhas Virgens Britânicas. Uma empresa cipriota de advocacia, representante da companhia, afirmou na época que ela pertencia a “uma pessoa envolvida com a política”, mas que não tinha “nada a ver com suas atividades políticas”.

Durante sua campanha presidencial, Poroshenko alegou ter vendido a maior parte de suas ações, que foram transferidas para a Prime Assets Capital.

Um porta-voz do presidente disse que a criação do fundo e de estruturas corporativas relacionadas não tiveram qualquer ligação com eventos políticos e militares na Ucrânia. Embora Poroshenko não tenha incluído a Prime Asset Partners em sua divulgação financeira, seus conselheiros destacaram que nem a empresa e nem suas duas companhias relacionadas no Chipre e na Holanda mantém ações.

Eles disseram que a companhia era parte de uma restruturação financeira para ajudar a vender o grupo Roshen. A estrutura está de acordo com “as práticas de mercado na Ucrânia para negócios com a intenção de venda para investidores estratégicos ou para a entrada nos mercados de capital, lançamento de IPO etc”. Embora Poroshenko seja o acionista, suas ações são controladas por uma empresa licenciada de gerenciamento de ações e suas ações são mantidas por um fundo independente, o Prime Asset Capital, desde 2005. Essas ações serão transferidas para um “fundo” cego assim que formalidades legais estiverem concluídas, ainda segundo a resposta de seus conselheiros transmitida ao ICIJ por seu porta-voz.

Crise
Iatseniouk era primeiro-ministro desde fevereiro de 2014. Na época, ele assumiu o cargo após Mukola Azarov renunciar durante uma crise política. A Ucrânia era palco de protestos em torno do parlamento do país, por causa da não-assinatura de um tratado de livre-comércio com a União Europeia. Dois grupos defendiam ideias opostas: havia quem defendesse uma aproximação com o Ocidente e quem preferisse estar ao lado da Rússia.

Em maio de 2014, o magnata Petro Poroshenko foi eleito em primeiro turno para a presidência da Ucrânia, e um mês depois, acabou assinando o acordo com a UE. A assinatura ocorreu em um contexto de confrontos no leste do país, palco de um movimento separatista pró-Rússia, e de ameaças e críticas ao governo de Moscou.

G1.Globo