João Pessoa 22/05/2019

Início » Destaque » Prisões por ataques sobem para 383 no Ceará

Prisões por ataques sobem para 383 no Ceará

É o 15º dia com ações criminosas - Camilo Santana esteve em Brasília - Reuniu-se com o ministro da Defesa

Polícia Civil do Estado comunicou a apreensão de 700 quilos de explosivos nesta 4ª feira (16.jan)

O número de pessoas presas suspeitas de participação na onda de ataques no Ceará subiu para 383 nesta 4ª feira (16.jan.2019), 15º dia com ataques. Os dados são da SSPDS (Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social) do Estado.

Até as 17h de 3ª (15.jan), eram 360. As novas prisões foram realizadas na capital, Fortaleza, na região metropolitana e em municípios do interior.

Segundo a SSPDS, as forças de segurança do Estado e as federais estão fazendo policiamento ostensivo “em locais estratégicos” e dentro de ônibus.

Além das detenções, a Polícia Civil do Estado comunicou a apreensão hoje de 700 quilos de explosivos dentro de 1 apartamento em Fortaleza.

Mais cedo, o governador chegou a publicar foto no Facebook dos materiais explosivos encontrados.

CAMILO SANTANA E MINISTRO DA DEFESA

Em meio ao cenário tenso de conflitos com as facções, o governador Camilo Santana esteve em Brasília e se reuniu com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.

“Estive reunido com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, nesta tarde, em Brasília. Conversamos sobre as ações de combate ao crime no Ceará e a importância dessa parceria com as forças de segurança nacionais, principalmente neste momento”, disse o governador, em publicação no Facebook.

Após a reunião, Camilo Santana disse à imprensa que discutiu com o general formas de flexibilizar empecilhos ao emprego das Forças Armadas em situações como essa.

“Existem algumas questões legais compreendidas que precisam ser revistas pelo Congresso Nacional e pelo país como 1 todo que restringem algumas ações. Mas estamos tentando encontrar caminhos para superar essas questões, como a participação das Forças Armadas nos estados”, afirmou, sem dar detalhes.

O governador disse ainda que apresentou 1 relatório das ações, dos fatos e das medidas tomadas pelo Estado em conjunto com o governo federal.

ATAQUES COMEÇARAM EM 2 DE JANEIRO

Desde o dia 2 de janeiro, ataques violentos são registrados em diversos pontos de Fortaleza e da região metropolitana. As ocorrências incluem incêndios e depredações de patrimônio público.

Os crimes começaram como forma de protesto após anúncio do secretário de Administração Penitenciária, Luis Mauro Albuquerque, para o endurecimento de regras no sistema prisional do Estado.

O protesto é atribuído a facções criminosas que atuam no Ceará, como o CV (Comando Vermelho) e GDE (Guardiões do Estado).

MEDIDAS TOMADAS PELO GOVERNO

Desde o início da onda de ataques, o governo do estado vem adotando um conjunto de ações.

No dia 4 de janeiro, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o envio de 300 membros e 30 viaturas da Força Nacional ao Ceará. Eles atuarão no Estado por 30 dias.  Leia a íntegra da portaria que oficializa a medida.

O pedido foi solicitado por Camilo Santana após a explosão de uma bomba em uma pilastra de 1 viaduto em Caucaia, região metropolitana de Fortaleza, e o incêndio de 2 ônibus.

De acordo com nota do ministério, o prazo do reforço da Força Nacional no Ceará pode ser prorrogado.

Já no último sábado (12.jan.2019), a Assembleia Legislativa do Estado, em sessão extraordinária, aprovou propostas de enfrentamento à violência e ao crime organizado apresentadas pelo governo, que foram sancionadas no dia seguinte, no domingo (13.jan.2019), pelo governador.

Eis as leis que já estão em vigor:

  • convocação de policiais militares e bombeiros militares que estão na reserva para ajudar a reforçar a tropa que está em operação;
  • aumento da quantidade de horas extras de 48h para 84h mensais, que podem ser pagas a todos os policiais, civis e militares, além dos bombeiros e agentes penitenciários, de forma com que haja aumento da força de trabalho;
  • criação da Lei da Recompensa, que prevê o pagamento em dinheiro pelo Estado para informações que sejam prestadas pela população à polícia e que resultem na prevenção de atos criminosos e prisão de bandidos envolvidos nas ações;
  • criação do Fundo de Segurança Pública e Defesa Social para estruturar melhor a SSPDS (Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social);
  • criação do banco de informações sobre veículos desmontados;
  • regras de restrição ao uso do entorno dos presídios do Estado para prevenir fugas e garantir mais segurança;
  • autorização de convênios e parceria com outros a União e outros Estados na cessão de policiais ao Estado do Ceará.

E ainda, na 2ª feira (14.jan), Camilo Santana regulamentou a Lei da Recompensa, que estabelece prêmios de R$ 1.000 e R$ 30.000 a quem fornecer informações que resultem na prisão de suspeitos ou evitem ataques criminosos no Estado.

Segundo o governador, as informações importantes são aquelas que levem à:

  • elucidação de crimes cometidos;
  • elucidação de fatos ou atos preparatórios ao cometimento de crimes, evitando a consumação da ação delituosa;
  • localização de pessoas procuradas pelos órgãos de segurança ou contra as quais exista ordem de prisão;
  • identificação e localização de bens móveis ou imóveis pertencentes a membros de organizações criminosas.

Com informações da Agência Brasil