Professores mobilizam ruas; pedem a saída de “Reginaldo” da prefeitura e protesto acaba com trânsito paralisado.

pneu 1Os professores da rede municipal da educação de Santa Rita passaram mais um “dia de cão” com protesto, mobilização e agressão por parte de capangas da prefeitura que terminou na delegacia de polícia, além de  movimentarem durante toda manhã desta quinta (11) o centro da cidade de Santa Rita, com mobilizações nas ruas Juarez Távora, seguiram pela Rua do Rio protestaram enfrente a prefeitura, logo após paralisaram o trânsito na Praça João Pessoa ao lado do posto de combustível com queima de pneus, aonde enceram o protesto na Câmara de Santa Rita pedindo a saída do prefeito, os salários de maio dos professores e dos servidores da saúde que foi bloqueado pelo prefeito Reginaldo Pereira sem autorização judicial.

O presidente do sindicato José Farias abriu a assembleia com a categoria em geral em que os servidores da saúde pediram pauta e decidiram pela paralisação durante três dias de advertência referente aos cortes sofridos nos contracheques do mês de maio trabalhados entre R$ 400,00 e 500,00, além da demissão de mais de 25 agentes do PEVA, dos atrasos dos salários desde janeiro de 2015 até agora e da péssima condição de trabalho oferecida pela gestão.

A assembleia durou poucos minutos os servidores ganharam ás ruas para reivindicar o reajuste de 13,01% dos professores e 8,8% do pessoal de apoio da educação, a greve que continua a 50 dias, o bloqueio dos salários dos professores sem ação judicial e sem ilegalidade da greve. Os professores revoltados e indignados com a retaliação e a perseguição sofrida pelo prefeito Reginaldo Pereira através da deflagração da greve que dura 50 dias e sem dialogo por parte da prefeitura a cada dia aumenta ainda mais a tensão entre servidores e o prefeito na cidade, com muita revolta e bate boca o protesto foi marcado por muito ódio principalmente pelas secretárias que parente do prefeito Reginaldo Pereira.

Vestidos de preto, com cartazes com a educação de luto, nariz de palhaço, faixas vermelhas de greve, mobilizou todos os setores de servidores revoltados e indignados pelo que o município vem sofrendo que jamais foi visto na cidade, a falta de compromisso com os pais e alunos do município além dos recursos são repassados e mal utilizados que não da pra nada “só temos a justiça que é a única esperança para nos defender da malversação do dinheiro do povo ”, disse uma professora revoltada.

O ato público no centro da cidade durou por toda manhã e ao término do movimento os professores e servidores da saúde, aposentados e pensionistas se dirigiram a Câmara de Santa Rita, mas o plenário do parlamento estava sendo utilizado em uma audiência pública com os secretários da prefeitura referente a Lei de Diretrizes Orçamentária – LDO, até o final do movimento  ninguém da gestão se pronunciou em relação da greve que dura 50 dias e que a cada dia que se passa Santa Rita se torna um verdadeiro tormento para os servidores e a população.

Por fim, o presidente do sindicato José Farias e o assessor de comunicação Manno Costa sofreram uma tentativa de agressão por parte de funcionário da prefeitura por nome ‘Felipe’ que teria ameaçado na segunda (8) em um outro protesto na secretaria  de administração que exerce um cargo comissionado atacou com uma pedra que as vítimas se defenderam mas foram atingidos, pelos quais terminou na delegacia de polícia.

O presidente do sindicato José Farias disse que não vai abrir mão dos direitos dos servidores, que a proposta que o prefeito ofereceu de  0,4% não atende o reajuste que é reivindicado pela categoria através do MEC de 13,01%. A assessoria jurídica do sindicato ingressou com uma ação na justiça bloqueando todas as contas da prefeitura de Santa Rita, haja vista, que o sindicato já conseguiu bloquear em fevereiro 54% de repasse do FPM para pagar os servidores da saúde, finalizou o sindicalista.

pneu 2

protesto rua sinfesa

protesto aposentada

saúde paralisa 3 dias

pneu

sinfesa estamos em greve

sinfesa greve

Lamartine do Vale, do Paraíba Urgente.