Projeto de mobilidade da UFPB promove carona solidária e ações educativas nesta terça


Humaniza Federal é inspirado nas ações do Dia Mundial Sem Carro, que ocorrem em 22 de setembro (Foto: Walla Santos)

A 2° edição do Humaniza Federal, evento de mobilidade do Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo (Trama) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), vai promover carona solidária e ações educativas nesta terça-feira (5), no campus I, em João Pessoa.

“O objetivo da carona solidária, dentro do evento Humaniza Federal, é o de incentivar a comunidade acadêmica a diminuir o uso dos veículos automotores e repensar outros meios de locomoção”, explica Aline Silva, 7° período do curso de Arquitetura e Urbanismo e uma das organizadoras.

Segundo a estudante, a iniciativa surgiu da percepção da equipe de que parte dos veículos automotivos que chegam à UFPB tem apenas um motorista. “Muitas vezes as pessoas moram próximo ou têm alguém na sua rota que também vem de carro e poderiam vir juntas. Isso auxilia tanto no trânsito, com diminuição da quantidade dos veículos e de engarrafamentos, quanto na questão ambiental, com menos emissão de poluentes”.

De acordo com Aline Silva, o Humaniza Federal é inspirado nas ações do Dia Mundial Sem Carro, que ocorrem em 22 de setembro, sobretudo na versão que ocorreu em 2017, promovida pela Prefeitura de João Pessoa e que contou com o auxílio do escritório.

“Na 1° edição do Humaniza Federal, a intenção inicial era participar com a prefeitura e na cidade. Mas, com a equipe pequena, percebemos que não daria pra intervir em local tão amplo e a prefeitura desistiu também. Como já havíamos identificado problemas dentro do campus, resolvemos atuar nos espaços da UFPB mesmo e nos desvinculamos do Dia Mundial Sem Carro, realizando o evento em dezembro”.

Ao longo do ano, a empresa júnior promove outras atividades no âmbito da mesma temática, como a exibição de documentários, palestras e rodas de conversa. “No ano passado, nos demos conta de que crescemos até mais do esperávamos. Ao fazer as intervenções, não tínhamos intenção de causar problemas. Contudo, ao fechar a entrada do Centro de Tecnologia (CT), provocamos engarrafamento nas vias Padre Zé e Pedro II, na área externa da UFPB”.

Para Aline Silva, as intervenções provocam reflexão. “As pessoas passam e tentam identificar a crítica. Cada um enxerga um problema diferente no que propomos.” As ações têm como base trabalhos acadêmicos. Um deles afirma que  o maior número de veículos entra, na UFPB, pelo CT, seguido da Reitoria e do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA).

“Por isso normalmente escolhemos esses locais para intervenção. Neste ano, fizemos contagem para saber quantos pedestres vêm do bairro dos Bancários até a entrada do CT. São aproximadamente 800, considerando os horários de pico pela manhã, tarde e noite. A gente também se apoia em conceitos como urbanismo tático, caminhabilidade”.

Programação

Das 7 às 9h, motoristas serão recepcionados no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) e no Centro de Tecnologia (CT). Das 9h30 às 10h30, ocorrerá vivência de acessibilidade, em parceria com o Laboratório de Acessibilidade (Lacesse) da UFPB. A rota será do Bloco J, onde se localizará o Espaço Vaga Viva (local outrora destinado a carros), ao Bloco H do CT.

Das 10h30 às 11h30, haverá aplicação de Multa Moral, com concentração no Espaço Vaga Viva. Palestra sobre a situação atual da mobilidade urbana no campus I da UFPB, com participação do professor de Engenharia Civil Nilton Pereira, será realizada na Sala Multimídia do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, das 13h30 às 15h.

Das 15h30 às 16h30, haverá, novamente, vivência de acessibilidade, com a mesma rota da que ocorrerá pela manhã. Das 17 às 18h, ocorrerá apresentação musical de Seu Pereira, da banda Seu Pereira e Coletivo 401.

ClickPB