Os problemas envolvendo motoristas de aplicativo, operadores de empresas de ônibus (as próprias empresas também), motoboys e taxistas devem ser resolvidos após aprovação de um projeto pare regulamentação e controle de oferta e demanda dos transportes por aplicativo em João Pessoa.

Quem diz é o chefe da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob-JP), Adalberto Araújo. O projeto foi desenvolvido por um comitê que conta com representantes das categorias envolvidas e tramita na Câmara de João Pessoa.

Porém, a demora na análise e aprovação do projeto foi alvo de uma manifestação que fechou ruas do Centro de João Pessoa na quarta-feira (27). Durante o movimento, participantes alegaram que a presença cada vez maior de motoristas por aplicativo tem causado demissões nos setores de transporte público e afetado financeiramente taxistas e motoboys.

Entre os pontos levantados pelo projeto está o controle na quantidade de motoristas por aplicativo.

“O projeto tem uma aceitação nesse diálogo (entre as categorias) conseguimos construir uma proposta que acho que é a mais adequada para a realidade de João Pessoa. Não falo em limitar a quantidade de motoristas, mas é preciso encontrar o equilíbrio entre a oferta e a demanda. Se tenho uma demanda X tenho que ter uma oferta de aplicativo que atenda a essa demanda. É preciso uma adequação do serviço para a necessidade da população e o projeto atende a isso”, explicou Adalberto.

O superintendente também foi questionado sobre a presença dos transportes clandestinos dentro de João Pessoa. Segundo ele, um trabalho de fiscalização vem sendo feito para coibir a ação desses motoristas.

A entrevista completa do superintendente da Semob-JP pode ser vista no vídeo abaixo.