Plano Piloto ao Itamaraty em um protesto pelo fim da violência em Gaza.

Protesto em Brasília pede rompimento de relações diplomáticas com Israel

protesto em brasíliaDuzentas pessoas marcharam da Rodoviária do Plano Piloto ao Itamaraty em um protesto pelo fim da violência em Gaza. Organizado por entidades da sociedade civil e partidos políticos, o ato pediu o rompimento de todas as relações entre Brasil e Israel. Aos gritos de “Palestina livre!”, os manifestantes condenaram as operações militares no enclave árabe, onde denunciaram haver um genocídio.

Em um apelo à paz, os manifestantes formaram um círculo no gramado do Congresso Federal. “Não podemos ficar parados. Isto é o mínimo que podemos fazer”, afirmou o contador egípcio Mohammed Moustafa, que há 13 anos vive no Brasil. “Ontem, na mesquita, anunciaram que haveria esse protesto, eu não podia deixar de vir”, contou.

Moustafa elogiou a postura dos governos latino-americanos que convocaram seus embaixadores em Tel Aviv para consultas e pediu mais pressão internacional contra o governo de Israel. “Não é o suficiente, é preciso fazer mais”. Por outro lado, o egípcio condenou os comentários de Yilgar Palmor, porta-voz da diplomacia israelense, que chamou o Brasil de “anão diplomático”. “Este país é um gigante pacífico que briga por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU”.

Os representades das entidades que organizaram a marcha foram recebidos no Departamento de Oriente Médio do Itamaraty, onde pediram a suspensão do acordo de livre comércio entre o Mercosul e Israel; No entanto, de acordo com o membro da Comunidade Islâmica de Brasília Marcelo Salahuddin, a chancelaria brasileira não sinalizou com novas represálias contra Tel Aviv.

 

Correio Barziliense