Quadrilha que importava de São Paulo 50 quilos de crack por mês é presa na Paraíba - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Quadrilha que importava de São Paulo 50 quilos de crack por mês é presa na Paraíba

Quadrilha que importava de São Paulo 50 quilos de crack por mês é presa na ParaíbaA Delegacia Repressão a Entorpecentes de João Pessoa realizou uma operação para cumprir 10 mandados de prisão na comunidade Bola na Rede, no bairro dos Novais, na Capital paraibana. De acordo com o delegado da Polícia Civil, Allan Murilo Terruel, sete integrantes de uma organização criminosa foram presos até as 8h30. A ação policial ocorreu na madrugada desta quarta-feira (19). Os presos são acusados de tráfico de drogas e assassinatos.

Murilo Terruel revelou que a quadrilha importava cerca de 50kg de crack de São Paulo para distribuir o entorpecente em bocas de fumo de João Pessoa e região metropolitana. “A quadrilha comprava as drogas no Sudeste do país e vendia aqui na Capital e na Grande João Pessoa. Vinha um carregamento mensal de 50 kg de crack via terrestre. Fizemos o monitoramento e conseguimos desmantelar a quadrilha de traficantes. Muitos deles foram presos na casa de familiares onde servia de esconderijos.”.

O delegado revelou que parte do grupo tinha ramificação dentro de presídios de João Pessoa e detentos foram identificados e autuados. “Essa é uma operação continuada. Em 2011 as investigações foram iniciadas e alguns dos envolvidos em processos estavam foragidos da Justiça. A Vara de Entorpecentes da Capital expediu os mandados e conseguimos desmantelar essa organização criminosa”, disse Terruel adiantou que drogas não foram apreendidas.

O policial civil acrescentou que a operação continua em bairros de João Pessoa e outros traficantes poderão ser presos a qualquer momento. “As equipes estão na rua e outras pessoas poderão ser presas a qualquer momento. Entre os envolvidos estão mulheres. O grupo tem foragidos em São Paulo”, comentou o delegado, acrescentando que desde 2011 cerca de 30 traficantes já foram presos estão recolhidas em presídios paraibanos.

Portal Correio