João Pessoa 23/04/2019

Início » Cidades » ‘Quando vi minha mão ensanguentada, me joguei no chão’, disse vítima de arrastão na Baixada

‘Quando vi minha mão ensanguentada, me joguei no chão’, disse vítima de arrastão na Baixada

RIO — Baleada na noite deste domingo, durante um arrastão no bairro Sarapuí, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense — que culminou na morte de uma grávida e seu marido — Claudia Barreto Rezende, de 44 anos, conta que foram cerca de quatro minutos de tiroteio. Ela estava no ponto de ônibus e aguardava um coletivo para voltar para casa, na Vila São Luís, quando os bandidos chegaram e começaram a roubar os motoristas.

— Estava mexendo na bolsa, quando escutei a freada do carro, mas não me liguei muito. Quando olhei para frente, tinha um carro branco fechando os outros carros e saíram dois assaltantes. Quando vi minha mão ensanguentada, me joguei no chão. Não quis ver mais nada. Tive medo de levar outro tiro – conta Cláudia, que foi socorrida no Hospital estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, mas liberada em seguida.

O crime terminou com o agente penitenciário José Carlos da Rocha, de 68 anos, e sua mulher, Verônica Sabrina Sousa Silva, de 27, mortos. Eles também chegaram a ser socorridos para o Hospital de Saracuruna, mas não resistiram. Verônica estava grávida de seis meses e os médicos fizeram o parto de emergência. O bebê está em estado grave.

Cláudia conta que os assaltantes fugiram assim que balearam o agente penitenciário e sua mulher:

— Eles foram baleados dentro do carro mesmo. Eu me arrastei para baixo do banco do ponto de ônibus e só conseguia ver os pés dos bandidos. Eles entraram no carro e fugiram.

De acordo com policiais da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), foi instaurado inquérito para investigar a morte de José Carlos e Verônica. Os ferimentos sugerem o uso de arma de fogo. As investigações estão em andamento para apurar as circunstancias e a motivação para o crime.

Extra Online